Fuga de jovens em unidade socioeducativa do Rio deixa feridos

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 16 de dezembro de 2019 as 10:57, por: CdB

Segundo o Degase, a polícia continua fazendo buscas pelos internos que estão foragidos. Uma sindicância será instaurada para apurar se houve falha dos agentes no episódio.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Mais de 50 jovens infratores fugiram no domingo de uma unidade socioeducativa da Zona Norte da capital Fluminense. De acordo com o Departamento Geral de Ações socioeducativas (Degase), 53 jovens pularam o muro da unidade Escola João Luiz Alves, na Ilha do Governador.

Mais de 50 jovens pularam muro da unidade Escola João Luiz Alves
Mais de 50 jovens pularam muro da unidade Escola João Luiz Alves

Ainda de acordo com o Degase, a fuga ocorreu quando os jovens eram encaminhados para a quadra esportiva da unidade.

Buscas

Na confusão, cinco agentes que estavam no local ficaram levemente feridos, com cortes superficiais, e foram atendidos no hospital Evandro Freire. Após a fuga, policiais militares fizeram buscas nos arredores e 12 jovens foram recapturados.

Segundo o Degase, a polícia continua fazendo buscas pelos internos que estão foragidos. Uma sindicância será instaurada para apurar se houve falha dos agentes no episódio.

Receptação qualificada

Policiais da 17ª DP (São Cristóvão) prenderam em flagrante, Alisson Victor Delocco, apontado como autor de receptação qualificada. Ele foi capturado com base em informações de inteligência de que estariam vendendo equipamentos de telecomunicação furtados na região de São Cristóvão. Com ele policiais encontraram 12 baterias de no break.

De acordo com o delegado Hilton Pinho Alonso, titular da 17ª DP, os policiais chegaram até Alisson após abordarem outro homem, acusado de receptação culposa, que estava com quatro baterias roubadas.

Aos policiais ele contou que havia comprado o produto de Alisson através de um site de compras na internet por R$ 200,valor bem abaixo do preço de mercado que é de R$ 1.2 mil. Em depoimento, ele confessou que revenderia as baterias, utilizadas em antenas de telefonia, para pessoas que usam em som automotivo.

Ainda segundo o delegado, ao ser preso em flagrante, Alisson informou que já havia trabalhado para empresas de telefonia e que adquiria o material de outro homens que também trabalha para essas empresas.

A unidade tem uma investigação em andamento que apurar o furto de baterias. Policiais continuarão realizando diligências para identificar outras outros envolvidos com a prática criminosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *