Furtado deve ser enterrado ao meio-dia, no Rio de Janeiro

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado domingo, 21 de novembro de 2004 as 10:21, por: CdB

O prefeito da capital fluminense, César Maia, foi o primeiro a chegar ao velório do economista Celso Furtado na manhã deste domingo. O evento foi interrompido às 22h de ontem, uma antes do previsto, a pedido da viúva, Rosa Furtado. A previsão é de que o velório prossiga até as 10h de hoje, quando o corpo será levado ao Cemitério São João Batista, em Botafogo, na Zona Sul da cidade. Furtado deve ser sepultado por volta do meio-dia, no Mausoléu dos Imortais. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não confirmou se vai ao velório.

“O século 20 no Brasil, na política e na economia, terminou em 2004: na política, com o falecimento do governador Brizola; e na economia com a morte de Celso Furtado”, afirmou Maia. O corpo de Furtado está sendo velado na academia Brasileira de Letras (ABL), no Centro do Rio. O economista morreu no final da manhã de ontem (20), aos 84 anos, em conseqüência de um enfarto fulminante.

Ocupante da cadeira de número onze da ABL há sete anos, em substituição ao professor e também intelectual Darcy Ribeiro, o “Imortal” Celso Furtado foi duas vezes indicado para o Prêmio Nobel de Economia e duas vezes ministro e embaixador do Brasil junto à Comunidade Européia, em Bruxelas.

Nascido em 26 de julho de 1920, em Pombal, no sertão paraibano, viria para o Rio de Janeiro em 1939, quando entrou para a Faculdade Nacional de Direito e começou a trabalhar como jornalista na “Revista da Semana”. O economista Celso Furtado se destacava por enxergar a economia de uma maneira social, mais humanista.