‘Gabinete do Ódio’ derruba trégua com governadores, apenas algumas horas depois

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 1 de abril de 2020 as 13:38, por: CdB

Mais uma vez, o vídeo foi desmentido por ter sido tirado de contexto, a exemplo da declaração do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Por Redação – de Brasília

Não se passaram 12 horas desde que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mudou o tom e propôs um pacto contra o coronavírus, no pronunciamento em rede nacional. Na manhã desta quarta-feira, Bolsonaro voltou ao ataque e publicou, em suas redes sociais, um vídeo de autoria desconhecida em que um homem reclama de desabastecimento em Belo Horizonte, ataca os governadores e defende Bolsonaro.

O filho ’02’ do presidente, Carlos Bolsonaro, seria o chefe do ‘Gabinete do Ódio’

Mais uma vez, o vídeo foi desmentido por ter sido tirado de contexto, a exemplo da declaração do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

— Para você que falou, depois do discurso do presidente, que economia não tinha importância, que importante eram vidas, dá uma olhada nisso aí. Pois é, fome, desespero, caos também matam — diz o homem no vídeo, que alegou ter gravado no dia 31 de março na Ceasa, em Belo Horizonte.

O cidadão, no vídeo, afirma que a “culpa é dos governadores”, porque o presidente quer uma “paralisação responsável”.

Fake news

Ao publicar o vídeo, sem link ou qualquer identificação do autor, Bolsonaro aumentou o texto.

— Não é um desentendimento entre o Presidente e alguns governadores e alguns prefeitos. São fatos e realidades que devem ser mostradas. Depois da destruição não interessa mostrar culpados — disse.

Jair Bolsonaro voltou a usar o Twitter nesta quarta-feira para atacar governadores e prefeitos que adotaram medidas de isolamento. Ele publicou um vídeo em que um trabalhador relata que estandes da Ceasa de Belo Horizonte, em Minas Gerais, estão vazios, mas, conforme apontou a rádio CBN o mercado segue abastecido.

O repórter Pedro Bohnenberger foi ao local e informa que, segundo os produtores da Ceasa, as atividades estão normais e não existe risco de falta de produtos. A direção ressaltou ainda que não há risco de desabastecimento na cidade, nem no estado, pelo contrário: há, inclusive, produtos em excesso por causa da baixa procura em meio à pandemia do novo coronavírus.

Governo paralelo

Desmentido pela reportagem da rádio CBN, Bolsonaro apagou do Twitter e do Facebook o vídeo em que um apoiador diz estar na Ceasa de Belo Horizonte, em Minas Gerais, apontando risco de desabastecimento e culpando governadores. O vídeo foi publicado às 7h35 desta quarta-feira.

A direção da Ceasa ressaltou que não há risco de desabastecimento na cidade, nem no Estado. Ao contrário do que afirmou o presidente há, inclusive, produtos em excesso por causa da baixa procura em meio à pandemia do novo coronavírus. Alguns comerciantes relatam melhora nas vendas.

Gerente das contas sociais do pai, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi apontado como autor da publicação de mais uma notícia falsa. O filho ’02’ de Bolsonaro tem causado desconforto entre membros do primeiro escalão. Muitos avaliam que o núcleo do clã da família Bolsonaro montou uma espécie de governo paralelo no enfrentamento ao avanço do coronavírus no país.

Gabinete do Ódio

O desconforto ficou ainda maior após Jair Bolsonaro reservar uma sala no Palácio do Planalto para que o filho possa despachar perto de seu gabinete, conhecido como ‘Gabinete do Ódio’. Segundo reportagem do diário conservador carioca O Globo, a influência de Carlos Bolsonaro ficou evidenciada nesta terça-feira.

Enquanto os ministros da Economia, Paulo Guedes; Justiça, Sérgio Moro; Casa Civil, Braga Neto, e da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participavam de uma entrevista coletiva, Bolsonaro gravava o pronunciamento que fez em cadeia nacional relatando as medidas adotadas para enfrentar a crise.

O teor do pronunciamento, porém, foi mantido em sigilo. Os únicos que tiveram acesso ao texto utilizado por Bolsonaro durante sua fala foram os integrantes do núcleo comandado por Carlos Bolsonaro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *