Generais advertem Macron sobre risco de colapso na França

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 27 de abril de 2021 as 14:19, por: CdB

Cerca de 20 generais aposentados franceses, uma centena de oficiais superiores e milhares de outros militares advertiram em uma carta o presidente da França, Emmanuel Macron, que o país está sob ameaça de “perigos mortais”.

Por Redação, com Sputnik – de Paris

Cerca de 20 generais aposentados franceses, uma centena de oficiais superiores e milhares de outros militares advertiram em uma carta o presidente da França, Emmanuel Macron, que o país está sob ameaça de “perigos mortais”.

Generais franceses advertem Macron sobre risco de colapso do país

Um grupo de militares franceses apelou em uma carta, publicada pela revista Valeurs Actuelles, ao governo da França para eliminar as ameaças que pairam sobre o país, afirmando não poderem “ficar indiferentes ao destino de nosso belo país”.

Segundo os autores do documento, os apoiadores fanáticos da guerra racial odeiam a França, sua cultura e tradições, querem ver o país se destruindo. Além disso, os dogmáticos islâmicos conquistam os subúrbios do país e estabelecem lá regras que contradizem a Constituição francesa.

Cada vez há mais ameaças, o nível de violência está aumentando, escreveram os militares.

“Quem poderia prever há dez anos que um dia um professor seria decapitado à saída de sua escola?”, perguntaram os militares na carta publicada.

Os militares

Os militares afirmaram que não podem ser apenas “espectadores passivos” e apelaram ao governo francês para mostrar coragem e eliminar as ameaças que pairam sobre o país.

“Não se esqueçam que, tal como nós, uma grande maioria de nossos concidadãos está farta de suas indecisões e silêncios culpados”, de acordo com a carta.

A passividade do governo levará à explosão e à intervenção do Exército, que assumirá a missão de defesa dos valores da civilização e da segurança de seus compatriotas no território francês, destaca a carta.

“Como estamos vendo, já não é tempo de procrastinar, senão, amanhã a guerra civil acabará com este caos crescente, e os mortos, pelos quais vocês serão responsáveis, serão contados aos milhares”, concluíram os militares.