General Pazuello e Paulo Guedes estão entre os primeiros a depor junto à CPI da Covid

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 19 de abril de 2021 as 16:50, por: CdB

O senador Humberto Costa (PT-PE) também afirmou à agência brasileira de notícias Rede Brasil Atual (RBA) que, como o coronavírus é muito agressivo, “isso só poderia redundar em uma tragédia”. Costa acrescenta que essa é a tese que ele vai advogar na CPI, a ser instalada na semana que vem.

Por Redação – de Brasília

A questão principal na CPI da Covid, a ser instalada na semana que vem, será a responsabilidade do governo Jair Bolsonaro (sem partido) no enfrentamento à pandemia, no país. Integrante do colegiado, o senador Humberto Costa (PT-PE) disse a jornalistas que o primeiro ponto a ser debatido tende a ser a estratégia adotada pelo governo federal. Costa acredita na tese de que o governo Bolsonaro comprou “a ideia equivocada de que não deveria fazer nada, para que a doença se espalhasse e se adquirisse a imunidade de rebanho”.

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
Ex-ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello ainda não foi nomeado para qualquer cargo no governo de Jair Bolsonaro (sem partido), após a demissão

O senador também afirmou à agência brasileira de notícias Rede Brasil Atual (RBA) que, como o coronavírus é muito agressivo, “isso só poderia redundar em uma tragédia”. Costa acrescenta que essa é a tese que ele vai advogar na CPI.

— Quero investigar se isso tem fundamento ou não, porque foi essa a visão que produziu uma tragédia humana e social no país — ressaltou.

Investigados

A CPI deverá ouvir ao menos 15 integrantes do governo Bolsonaro, entre ele, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Guedes será indagado sobre o auxílio emergencial, principalmente se o valor gasto foi suficiente para atender a população em vulnerabilidade durante a crise sanitária, segundo interlocutores.

Na semana passada, a mobilização de parlamentares em torno da instalação da CPI acirrou os ânimos no governo. Um áudio vazado pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), apoiador de Bolsonaro, mostrou o presidente sugerindo a ampliação dos objetivos da CPI da Covid para que estados e municípios possam ser investigados. Uma tentativa de atenuar ou eliminar a culpa do governo federal durante a crise sanitária.

Na terça-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) determinou a criação da CPI da Covid, aceitando requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Amazonas

A decisão do Senado seguiu decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que havia determinado a criação da CPI. Na quarta-feira, o plenário do STF confirmou a decisão de Barroso.

O colegiado no Senado será composto por 11 membros titulares e sete suplentes. Terá prazo de 90 dias para apurar ações e omissões do governo federal diante da pandemia de covid-19, em especial do agravamento da crise no Amazonas.

Pacheco apensou (juntou) requerimento de Eduardo Girão (Podemos-CE), no qual pede investigação também de estados e municípios. Ainda será definida de que forma a CPI vai funcionar, se presencialmente, virtualmente ou de modo híbrido.