Geórgia investiga suposta tentativa de Trump de reverter resultados das eleições

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 9 de fevereiro de 2021 as 10:40, por: CdB

O Estado norte-americano da Geórgia iniciou uma investigação contra o ex-presidente dos EUA por acusações de que ele teria tentado vencer as eleições presidenciais por meio de uma recontagem a seu favor.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

O Estado norte-americano da Geórgia iniciou uma investigação contra o ex-presidente dos EUA por acusações de que ele teria tentado vencer as eleições presidenciais por meio de uma recontagem a seu favor.

Ex-presidente norte-americano Donald Trump

O escritório de Brad Raffensperger, secretário de Estado da Geórgia, abriu uma investigação sobre alegações de que o ex-presidente norte-americano Donald Trump tentou reverter os resultados das eleições estaduais de 2020, disse Walter Jones, gerente de Comunicação do Projeto de Educação Eleitoral do Estado, à agência russa de notícias Sputnik.

– Sim, posso confirmar – disse Jones na segunda-feira sobre a notícia relatada pela agência Reuters.

De acordo com gravações de conversas telefônicas, Trump pressionou Raffensperger a recalcular os votos no estado, acusando o secretário de estado de “saber” e recusar relatar irregularidades e uma “fraude eleitoral”. Raffensperger negou a acusação do ex-presidente durante a conversa.

Partido Republicano da Geórgia

Após o conteúdo da discussão ser revelado, David Shafer, presidente do Partido Republicano da Geórgia, afirmou que Trump entrou com dois processos contra Raffensperger por vazar uma “conversa confidencial”.

Em 3 de janeiro foi vazado um telefonema de 2 de janeiro entre o ainda presidente dos EUA e Raffensperger, no qual Trump pede que o secretário “encontre” 11.780 votos adicionais que o tornariam vencedor da eleição presidencial de 3 de novembro de 2020, que, segundo ele, foi roubada.

Donald Trump foi depois disso alvo de um segundo impeachment, que veio em 13 de janeiro, depois de ter sido acusado de “incitação à insurreição” após a invasão do Capitólio de Washington em 6 de janeiro.

Está previsto que o julgamento do segundo impeachment comece na terça-feira .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code