Gigantes de tecnologia terão que abrir dados a reguladores antitruste da UE

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 30 de outubro de 2020 as 13:01, por: CdB

As gigantes de tecnologia terão que explicar como seus algoritmos funcionam sob as novas regras propostas pela União Europeia e também abrir seus arquivos de anúncios para reguladores e pesquisadores, disse a comissária digital e antitruste da Europa nesta sexta-feira.

Por Redação, com Reuters – de Bruxelas

As gigantes de tecnologia terão que explicar como seus algoritmos funcionam sob as novas regras propostas pela União Europeia e também abrir seus arquivos de anúncios para reguladores e pesquisadores, disse a comissária digital e antitruste da Europa nesta sexta-feira.

As gigantes de tecnologia terão que explicar como seus algoritmos funcionam sob as novas regras propostas pela União Europeia
As gigantes de tecnologia terão que explicar como seus algoritmos funcionam sob as novas regras propostas pela União Europeia

A medida provavelmente impactará gigantes online dos EUA, como a Alphabet, dona do Google, Amazon, Apple e Facebook, com suas enormes bases de dados e lucrativos negócios de publicidade online.

Os algoritmos de publicidade ajudam as empresas a direcionar os anúncios aos usuários que os anunciantes desejam alcançar.

A comissária europeia para a concorrência, Margrethe Vestager, disse que o objetivo é esclarecer como esses algoritmos funcionam e garantir que as empresas sejam responsabilizadas por suas decisões.

– E as maiores plataformas teriam que fornecer mais informações sobre a forma como seus algoritmos funcionam, quando os reguladores solicitarem – disse ela em evento organizado pela agência de pesquisa AlgorithmWatch e pelo European Policy Center.

As empresas também terão que dar aos reguladores e pesquisadores acesso aos dados que possuem – incluindo arquivos de anúncios”, disse Vestager.

Projetos de regras

Ela vai anunciar dois projetos de regras conhecidos como Digital Services Act e Digital Markets Act em 2 de dezembro, evidenciando a determinação da UE em controlar as gigantes da tecnologia e forçá-las a serem mais justas.

A nova legislação precisará da contribuição e aprovação dos países da UE e do Parlamento Europeu antes de entrar em vigor, um processo que pode levar mais de um ano.