Google Assistant pode ficar mudo, quando se trata de revelar conteúdo patrocinado 

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 1 de abril de 2019 as 12:02, por: CdB

Responder às pesquisas dos usuários em voz alta por meio do Google Assistant não é ideal para gerar receita, sugeriu Schindler. 

Por Redação, com Reuters – de São Francisco/Havana

 No palco de uma conferência de investidores no mês passado, o chefe de negócios do Google, Philipp Schindler, identificou um desafio para o aplicativo mais valioso da empresa: seu assistente virtual.

Quando se trata de revelar conteúdo patrocinado, Google Assistant pode ficar mudo

Responder às pesquisas dos usuários em voz alta por meio do Google Assistant não é ideal para gerar receita, sugeriu Schindler.

Quando os resultados são visíveis, não meramente verbais, “você tem espaço para publicidade, é claro”, disse Schindler, cuja empresa fatura cerca de US$ 70 bilhões por ano com anúncios nos resultados de busca.

A Alphabet Inc se recusou a elaborar sobre as observações de Schindler. Mas o desafio do Google é enfrentado por várias grandes empresas de tecnologia cujos usuários buscam cada vez mais ajuda de alto-falantes e dispositivos habilitados para voz: como oferecer maior conveniência e, ao mesmo tempo, gerar a receita publicitária que tradicionalmente financia pesquisas gratuitas.

A questão é mais aguda para o Google, que detém o maior negócio de publicidade de pesquisas do mundo.

Até agora, os consumidores geralmente recebem uma breve resposta dos assistentes virtuais, sem a perturbação dos anúncios. E as empresas de tecnologia não mostraram como incluiriam as classificações de que o conteúdo é “Patrocínio” ou “Anúncio” que os reguladores nos Estados Unidos e em outros países exigem com resultados de pesquisa pagos.

Um recurso do Google Assistente já está perto de violar as regras de divulgação, de acordo com cinco advogados de publicidade contatados pela agência inglesa de notícias Reuters. O Google afirma que está em conformidade.

O recurso recomenda encanadores e outros provedores locais de serviços domésticos sem revelar que os resultados são extraídos de um banco de dados com curadoria composto principalmente por empresas que aderiram a um programa de marketing do Google.

– Não é uma recomendação completamente limpa – disse Michelle Cohen, advogada especialista em regras de marketing da Ifrah Law, em Washington, DC “Se houver um compromisso financeiro, você deve divulgá-lo.”

Reguladores evitam sufocar novas tecnologias, disse Richard Lawson, sócio da Manatt, Phelps & Phillips e ex-diretor de defesa do consumidor na Procuradoria Geral da Flórida. Mas ele disse que as autoridades ainda perguntarão: “Como você transmite informações significativas?”

Na conferência, Schindler disse que os anúncios no Google Assistant seriam mais “interessantes” quando as respostas são exibidas em uma tela próxima, como uma TV, um smartphone, um laptop ou um alto-falante inteligente com uma tela.

– Então, estamos exatamente no mundo que compreendemos profundamente –disse Schindler, com opções lucrativas “muito semelhantes” à pesquisa tradicional.

Google e Cuba firmam acordo

O Google assinou na última quinta-feira um acordo com a empresa que tem o monopólio de telecomunicações em Cuba, a ETECSA, para trabalhar na conectividade da ilha comunista.

O país, com atraso na Internet, tem buscado aumentar o acesso nos últimos anos, introduzindo cybercafés, pontos de Wi-Fi e internet móvel, mas os usuários ainda reclamam do custo, da conexão lenta e da cobertura irregular.

Gogle e ETECSA assinaram um memorando de entendimento para iniciar a negociação de um chamado “acordo de troca” que criaria uma conexão direta e sem custo entre suas duas redes.

Isso permitiria um acesso mais rápido ao conteúdo hospedado nos servidores da gigante de tecnologia, em um país onde a informação é rigidamente controlada, reduzindo os custos para Cuba, que não teria mais que pagar por um intermediário.

– A implementação desse serviço de troca de tráfego na Internet é parte da estratégia da ETECSA para o desenvolvimento e informatização do país – disseram o Google e a ETECSA em comunicado conjunto, lido em coletiva de imprensa em Havana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *