Google planeja mover contas de usuários britânicos para fora da jurisdição da UE

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020 as 10:16, por: CdB

O Google planeja mover as contas de seus usuários britânicos para fora do controle dos reguladores de privacidade da União Europeia.

Por Redação, com Reuters – de São Francisco/Londres

O Google planeja mover as contas de seus usuários britânicos para fora do controle dos reguladores de privacidade da União Europeia, colocando-os sob a jurisdição dos Estados Unidos, confirmou a empresa na quarta-feira.

Google planeja mover contas de usuários do Reino Unido para fora da jurisdição da UE
Google planeja mover contas de usuários do Reino Unido para fora da jurisdição da UE

Antes da confirmação, à agência inglesa de notícias Reuters havia divulgado os planos da empresa, citando pessoas familiarizadas com o assunto.

A mudança, motivada pela saída do Reino Unido da UE, deixará as informações pessoais sensíveis de dezenas de milhões com menos proteção e dentro do alcance mais fácil da polícia britânica.

O Google, da Alphabet, tem a intenção de exigir que seus usuários britânicos aceitem novos termos de serviço, incluindo a nova jurisdição, de acordo com pessoas familiarizadas com os planos.

Serviços

“Nada sobre nossos serviços ou nossa abordagem à privacidade mudará, incluindo como coletamos ou processamos dados e como respondemos às demandas da lei por informações dos usuários”, afirmou o Google em comunicado por email. “As proteções do Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) britânico ainda se aplicam a esses usuários”.

Um porta-voz se recusou a responder perguntas.

O Google decidiu tirar seus usuários britânicos da jurisdição irlandesa, porque não está claro se o Reino Unido seguirá o GDPR ou adotará outras regras que podem afetar o a forma como lida com os dados de usuários, disseram as pessoas.

Se os usuários britânicos do Google mantiverem seus dados na Irlanda, seria mais difícil para as autoridades britânicas recuperá-los em investigações criminais.

Contas britânicas

O Google também poderia ter contas britânicas respondendo a uma subsidiária britânica, mas optou por não fazer isso, disseram as pessoas.

Nos próximos meses, outras empresas de tecnologia dos EUA terão que fazer escolhas semelhantes, de acordo com pessoas envolvidas em discussões internas em outros lugares.

O Facebook, que tem um sistema semelhante ao do Google, não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário.

Moedas digitais

Reguladores financeiros globais correm o risco de ficar para trás diante da rápida inovação no setor de pagamentos digitais e precisam trabalhar mais rapidamente para criar regras para criptomoedas ou “stablecoins”, disse o presidente de um órgão fiscalizador financeiro global na quarta-feira.

Os bancos centrais estão preocupados com a possibilidade de os planos do Facebook para lançar sua moeda digital Libra reduzir o controle estatal sobre o dinheiro em todo o mundo.

– Os membros do Conselho de Estabilidade Financeira (FSB) reconhecem a velocidade da inovação na área de pagamentos digitais, incluindo as chamadas ‘stablecoins’ – afirmou Randal Quarles, presidente do FSB, em uma carta aos ministros e bancos centrais do grupo das 20 economias mais industrializadas, o G20.

– Estamos decididos a acelerar o ritmo de desenvolvimento das respostas regulatórias e de supervisão necessárias a esses novos instrumentos.

Quarles, que também é membro do conselho de diretores do Federal Reserve dos EUA, disse que um grupo de trabalho estava analisando políticas para lidar com os riscos e benefícios das stablecoins.

Possíveis respostas regulatórias serão submetidas a uma consulta pública em abril, disse ele.

Ministros das Finanças do G20 disseram no rascunho das conclusões de sua reunião em Riad no final de semana que os riscos das stablecoins globais precisam ser avaliados e tratados adequadamente antes de iniciarem a operação.

O FSB, formado por reguladores, presidentes de bancos centrais e governos das principais economias, foi criado após a crise financeira de 2007-09 para criar um sistema de alerta antecipada para riscos no setor financeiro antes que eles gerem outro colapso do mercado global.

O FSB também organizará um workshop entre reguladores, supervisores e o setor privado sobre possíveis abordagens regulatórias para a crescente entrada de gigantes da tecnologia no setor de finanças, disse Quarles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *