Google começa a responder pedidos de dados feitos por investigadores dos EUA

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 11 de outubro de 2019 as 12:00, por: CdB

A investigação, que envolve todos os procuradores gerais dos Estados dos EUA, exceto Alabama e Califórnia, procura apurar o obscuro negócio de publicidade digital online, onde o Google é um participante dominante.

Por Redação, com Reuters – de São Francisco/Lisboa

Autoridades do Texas que lideram uma investigação sobre as práticas de publicidade no Google, da Alphabet, começaram a receber dados da empresa após duas investigações anteriores atolaram em extensas disputas por documentos.

Google começa a responder pedidos de dados feitos por investigadores do Texas
Google começa a responder pedidos de dados feitos por investigadores do Texas

O escritório do procurador-geral do Texas disse que, na quinta-feira, havia recebido alguns dados do Google, mas se recusou a discutir mais.

A investigação, que envolve todos os procuradores gerais dos Estados dos EUA, exceto Alabama e Califórnia, procura apurar o obscuro negócio de publicidade digital online, onde o Google é um participante dominante.

O Google, que não comentou imediatamente a matéria, oferece pesquisas gratuitas, e-mail e outros serviços, mas grande parte de sua receita é proveniente de publicidade.

A investigação está em estágios iniciais. O Texas enviou um longo pedido de informações ao Google no mês passado, com uma data de resposta de 9 de outubro.

Pelo menos duas vezes anteriormente, o Google lutou com os procuradores gerais sobre os dados necessários para concluir as investigações, que incluíam questões antitruste e de proteção ao consumidor.

Texas

Jeff Mateer, o primeiro assistente do procurador-geral do Texas, disse em uma entrevista que o Google respondeu através de seus advogados ao pedido de documentos do mês passado.

– Estamos negociando a colaboração deles – afirmou. “Até o momento, eles parecem estar cooperando”.

Se o Google recusar, os Estados lutarão, acrescentou Mateer.

– Se tivermos que usar os tribunais para obter as informações, então usaremos – disse ele.

O Google enfrenta outras duas grandes investigações, uma do Departamento de Justiça dos EUA e uma do Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados, as quais estão realizando amplas análises das grandes empresas de Internet.

Libra do Facebook

O Secretário de Estado de Finanças de Portugal levantou preocupações sobre a moeda digital libra, do Facebook, nesta sexta-feira, afirmando que ela não deve circular até que os riscos que possa representar para o sistema financeiro sejam resolvidos.

– Está claro desde o início que é um fenômeno de alto risco com implicações sistêmicas – disse Ricardo Mourinho Felix em uma conferência. “É essencial que nenhum projeto de ‘moeda estável’, como a libra, seja lançado até que todas as preocupações tenham sido devidamente resolvidas.”

A União Europeia anunciou na terça-feira que vai propor uma nova lei para cobrir projetos de criptomoedas como a libra, dizendo que elas representam um risco para o sistema financeiro em geral.

Felix destacou que Portugal compartilha as preocupações expressas por outros países europeus sobre a libra.

Ao contrário de uma criptomoeda comum, o Facebook afirmou que a libra seria apoiada por uma cesta de ativos financeiros, o que, em princípio, significa que poderia evitar flutuações bruscas de valor, daí o nome ‘moeda estável’.

No entanto, Felix apontou o “risco da libra limitar o alcance das ferramentas tradicionais de política monetária” e “poderia ter um efeito significativo nas políticas que hoje promovem a estabilidade do sistema financeiro”.