Governo americano inclui as Farc e as AUC em lista negra de traficantes

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 3 de junho de 2003 as 15:35, por: CdB

Pela primeira vez o governo americano incluiu organizações na lista negra de traficantes internacionais de drogas ao listar as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e as AUC (Autodefesas Unidas da Colômbia ) na relação, que começou a ser publicada em 2000 e é atualizada anualmente.

Até então, a lista trazia apenas nomes de traficantes internacionais, como o brasileiro Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, e o mexicano Joaquin Guzman-Loera. Agora, organizações também foram incluídas.

As Farc, o maior grupo rebelde de esquerda da Colômbia, bem como as AUC, principal organização paramilitar de direita do país, foram duas das sete novas inclusões da lista neste ano.

A atualização traz também mais um brasileiro: o traficante goiano Leonardo Dias Mendonça, conhecido com Léo.

Punição

Pela chamada Lei dos Barões da Droga, de 1999, o governo americano tem o direito de bloquear contas bancárias, bem como confiscar bens dos integrantes da lista.

Outro objetivo da iniciativa é impedir que indivíduos e organizações acusados de tráfico de drogas tenham acesso ao sistema financeiro americano.

A lei proíbe também cidadãos e empresas americanas de realizar qualquer tipo de transação comercial com os indivíduos e organizações relacionados no documento.

Os acusados de tráfico internacional de drogas pela Casa Branca estão sujeitos a penas de prisão de até 30 anos e a multas de até US$ 10 milhões (R$ 30 milhões).

– Isso mostra o compromisso de George W. Bush contra os traficantes de drogas – disse o porta-voz da Casa Branca, Ary Fleischer.