Governo argentino decreta tabelamento de preços

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 17 de abril de 2019 as 19:19, por: CdB

O anúncio foi feito um dia depois de dados mostrarem que a inflação foi de 4,7% apenas em março, acumulando 54,7% nos últimos 12 meses, o que vem afetando a atividade econômica do país e aumentou a pobreza.

 

Por Redação, com agências internacionais – de Buenos Aires

 

O governo da Argentina anunciou, nesta quarta-feira, o tabelamento de preços de gêneros de primeira necessidade, em um pacote de medidas com o objetivo de conter a inflação galopante e reativar o consumo no país. A medida ocorre em meio a uma crise que compromete seriamente as probabilidades de reeleição do presidente Mauricio Macri.

Argentina
Sindicatos argentinos e pequenas empresas marcham contra o programa de austeridade de Macri, em uma das piores crises econômicas na História do país

O anúncio foi feito um dia depois de dados mostrarem que a inflação foi de 4,7% apenas em março, acumulando 54,7% nos últimos 12 meses, o que vem afetando a atividade econômica do país e aumentou a pobreza.

“As medidas principais que estamos lançando são fruto de um acordo com empresas líderes para manter por ao menos seis meses os preços de 60 produtos essenciais e o não aumento de tarifas de serviços públicos para este ano”, informou o governo em comunicado.

Campanha

A inflação argentina ultrapassou, em março, todas as previsões e atingiu 4,7%, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos, fazendo o índice acumulado dos últimos 12 meses superar os 54%. No primeiro trimestre, chegou a 11,8%. Alimentação e transporte foram os itens que mais subiram.

Macri usou a inflação dos últimos anos do mandato de Cristina Fernández de Kirchner durante a campanha eleitoral para chegar à Presidência. Dizia que a inflação real da Argentina era superior à da Venezuela. Não era verdade.

Agora quase ninguém espera que o ano termine abaixo de 40%. Em 2018, um ano catastrófico, foi de 47,6%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *