Governo do RS monta operação para isolar juízes do TRF-4

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 22 de janeiro de 2018 as 15:01, por: CdB

O secretário não detalhou o tamanho do efetivo e os custos envolvidos na operação afirmando que será empregado o “efetivo necessário” para garantir o direito a manifestação “dentro dos princípios constitucionais”

Por Redação, com Brasil 247 – de Porto Alegre:

O julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta quarta-feira, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, será palco de uma verdadeira operação de guerra em nome da segurança. Segundo o secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, Cezar Schirmer, o perímetro do entorno do TRF-4 terá restrição por via “aérea, terrestre e naval”, além de atiradores de elite posicionados em locais estratégicos.

Governo gaúcho monta operação de guerra para isolar juízes do TRF-4

– A presença de atiradores de elite faz parte de qualquer processo de prevenção. Atirador de elite é na verdade um observador. Vai atirar em último caso numa condição excepcionalíssima. Ele é observador de espaço físico do que está acontecendo. Vai ficar nas partes mais altas. Vamos trocar a expressão por observador privilegiado; inclusive fotografando e filmando – afirmou Schirmer.

Custos

O secretário não detalhou o tamanho do efetivo e os custos envolvidos na operação afirmando; que será empregado o “efetivo necessário” para garantir o direito a manifestação “dentro dos princípios constitucionais”.

Ainda segundo ele, as forças de segurança já estão sendo mobilizadas e posicionadas para fazer o monitoramento do espaço aéreo e também na orla do Guaíba. Está em estudo o uso de aeronaves para levar os desembargadores responsáveis pelo julgamento para o TRF-$; caso o transporte terrestre sofra algum tipo de contingência ou bloqueio.

– O perímetro ficará isolado o tempo necessário para garantirmos a ordem; e a segurança ao TRF4 – afirmou o o comandante-geral da Brigada Militar, Andreis Dell Lago.

Aécio Neves usava Justiça mineira

 Uma nova repercussão de supostos crimes cometidos por integrantes do grupo político liderado, em Minas Gerais, pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) ganhou as redes sociais, na última sexta-feira. Reportagem do jornalista Joaquim Carvalho, do site Diário do Centro do Mundo (DCM), impulsiona a série de denúncia sobre o escândalo, já publicadas no Correio do Brasil desde 2014.

“O Novo Jornal, site na internet com estrutura minúscula e audiência gigantesca, foi alvo de tantas investidas do grupo ligado a Aécio que seu proprietário acabou preso”, afirma Carvalho. Ainda segundo o jornalista, “os arquivos do jornal desapareceram; depois de serem confiscados pela Polícia Civil, com autorização da Justiça e anuência do Ministério Público do Estado”.

A denúncia da perseguição ao jornalista mineiro Marco Aurélio Flores Carone, diretor de Redação do Novo Jornal, que divulgou a Lista de Furnas, foi divulgada, em primeira mão, em reportagem exclusiva do CdB. Carone visitou a redação do Correio do Brasil, pouco antes de ser preso.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *