Governo dos EUA pede ajuda a gigantes de tecnologia para Censo 2020

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 27 de março de 2019 as 11:08, por: CdB

O pedido, cujos detalhes não foram divulgados anteriormente, segue os alertas de especialistas em cibersegurança e dados de 2016.

Por Redação, com Reuters – de Nova York

O Departamento do Censo dos Estados Unidos pediu aos gigantes da tecnologia Google, Facebook e Twitter que ajudem a evitar as fake news que a divisão teme que possam prejudicar levantamento de 2020, de acordo com autoridades do Censo e várias fontes informadas sobre o assunto.

Preocupado com fake news, governo dos EUA pede ajuda a gigantes de tecnologia para Censo 2020

O pedido, cujos detalhes não foram divulgados anteriormente, segue os alertas de especialistas em cibersegurança e dados de 2016, que dizia que grupos de direita e agentes estrangeiros podem pegar emprestado a tática das fake news da última eleição presidencial para dissuadir os imigrantes de participarem na contagem do próximo ano, disseram autoridades e fontes à Reuters.

As fontes, que pediram para não serem identificadas, disseram que as evidências incluíam cada vez mais conversas em plataformas como “4chan” por redes domésticas e estrangeiras interessadas em minar a pesquisa. O censo, dizem eles, é um alvo poderoso porque molda os distritos eleitorais dos EUA e a alocação de mais de US$ 800 bilhões por ano em gastos federais.

Ron Jarmin, vice-diretor do Departamento de Censo, confirmou que estava antecipando campanhas de desinformação e pediu a ajuda de grandes empresas de tecnologia para se defender da ameaça.

– Esperamos que (o censo) seja um alvo para esse tipo de iniciativa em 2020 –  disse ele.

Até agora, o departamento obteve compromissos iniciais do Google, do Twitter e do Facebook para ajudar a anular as campanhas de desinformação online, de acordo com documentos analisados pela Reuters, que resumem algumas dessas reuniões.

EUA pressionam chinesa dona do Grindr

A empresa de jogos chinesa Beijing Kunlun pretende vender o Grindr, popular aplicativo de encontros gays que possui desde 2016, depois que um painel de segurança nacional do governo norte-americano levantou preocupações sobre sua propriedade, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto.

O Comitê de Investimentos Estrangeiros dos Estados Unidos (CFIUS, sigla em inglês) informou a Kunlun que a propriedade da Grindr, sediada em West Hollywood, na Califórnia, constitui um risco à segurança nacional, disseram as duas fontes.

As preocupações específicas do CFIUS e se alguma tentativa foi feita para diminuí-las não são conhecidas. Os Estados Unidos têm investigado cada vez mais os desenvolvedores de aplicativos sobre a segurança dos dados pessoais que eles manipulam, especialmente se alguns deles envolverem militares do país ou funcionários de inteligência.

Kunlun havia dito em agosto passado que estava se preparando para uma oferta pública inicial do Grindr. Como resultado da intervenção da CFIUS, a Kunlun agora mudou seu foco para um processo de leilão para vender o Grindr, uma vez que o IPO teria mantido o Grindr sob o controle da Kunlun por um longo período de tempo, disseram as fontes.

A Grindr contratou o banco de investimentos Cowen para administrar o processo de venda e está solicitando a aquisição de participações de empresas de investimento dos EUA, bem como dos concorrentes da Grindr, de acordo com as fontes.

O desenvolvimento representa um exemplo raro e de alto perfil do CFIUS desfazendo uma aquisição que já foi concluída. A Kunlun assumiu o Grindr através de dois acordos separados entre 2016 e 2018 sem submeter a aquisição para revisão do CFIUS, tornando-o vulnerável a tal intervenção, de acordo com as fontes.

Representantes da Kunlun não responderam aos pedidos de comentários. Grindr e Cowen se recusaram a comentar. Um porta-voz do Departamento do Tesouro dos EUA, que preside o CFIUS, disse que o painel não se pronuncia publicamente sobre casos individuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *