Governo busca saída emergencial para a crise em Roraima, diz Jungmann

Arquivado em: Brasil, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de agosto de 2018 as 14:26, por: CdB

Para o ministro, o desvio de recursos impediu a construção de uma unidade prisional. “Obviamente, ao acontecer isso, agravou a questão do sistema penitenciário e da segurança no estado”, afirmou

Por Redação, com ABr – de Brasília

Após reunião desta seexta-feira com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, e a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que a crise prisional em Roraima foi discutida no encontro porque “recursos do Fundo Nacional Penitenciário foram repassados ao estado e desviados”.

Governo busca saída emergencial para a crise em Roraima

Segundo ele, a reunião serviu para buscar uma saída emergencial para Roraima. “Não é possível continuar aquela situação de crise e temos que encontrar uma saída para resolver o problema que se deu pela judicialização dos recursos. Os recursos foram enviados, estão no Estado, mas uma parte dos R$ 40 milhões enviados foi desviada, não sabemos quanto, o que agravou a crise que temos lá”, disse Jungmann.

Para o ministro, o desvio de recursos impediu a construção de uma unidade prisional. “Obviamente, ao acontecer isso, agravou a questão do sistema penitenciário e da segurança no estado”, afirmou.

Combate ao feminicídio e homicídio

Em entrevista após a divulgação do balanço parcial da Operação Cronos, de combate ao feminicídio e homicídio em todo o país, Jungmann disse que, no momento, o Poder Executivo não está pensando em intervenção federal no estado. “Eu não posso descartar porque há outros poderes que também podem solicitar (a intervenção)”, afirmou.

– É uma situação muito grave porque não está se conseguindo cumprir as oitivas, ou seja, a audiência que tem que se fazer com os presos, porque os presos, em algumas dessas unidades, impedem a identificação daqueles que devem ser ouvidos pela Justiça – acrescentou.

Segundo Jungmann, a medida de bloqueio dos recursos para a construção da unidade prisional em Roraima foi pedida pelo Ministério Público com a anuência do Poder Judiciário. “Há ilegalidade, há um crime que está sendo apurado”.

Em janeiro do ano passado, ocorreu uma grande rebelião na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima com 33 detentos mortos.

À Agência Brasil está tentando contato com a assessoria do governo de Roraima.

Combater sarampo em Pacaraima

Portaria do Ministério da Saúde, publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União, autoriza o repasse de R$ 102.834 do Fundo Nacional de Saúde para o Fundo Municipal de Saúde de Pacaraima (RR), com o objetivo de auxiliar no combate ao surto de sarampo na região.

Os recursos serão usados para a implementação de ações de vigilância epidemiológica, laboratorial, imunizações e para educação em saúde.

A preocupação com o surto de sarampo na cidade, em meio à entrada de milhares de venezuelanos no Brasil, foi uma das argumentações apresentadas pelo governo de Roraima, no novo pedido de fechamento da fronteira, encaminhado no dia 20 ao Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido já foi contestado pela Advocacia-Geral da União e, agora, aguarda decisão da Justiça.

No pedido de liminar feito pelo estado ao STF, foi solicitado que a Suprema Corte determine ao governo federal a implementação de barreiras sanitárias a fim de evitar epidemias de sarampo, malária e outras doenças. Também foi pedida a manutenção de hospitais de campanha do Exército e o envio dos venezuelanos a outros Estados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *