Governos francês e espanhol acolherão imigrantes vetados na Itália

Arquivado em: Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 16 de junho de 2018 as 17:12, por: CdB

A negação da Itália gerou até uma tensão diplomática com a França, que acusou Roma de “cinismo e irresponsabilidade”.

 

Por Redação, com Ansa – de Roma

A Espanha anunciou, neste sábado, que a França vai colaborar e acolher parte dos 629 imigrantes que estão dentro do navio Aquarius, todos resgatados por ONGs no Mar Mediterrâneo.

Parte dos imigrantes seguirão para a França, após decisão da Itália de rejeitá-los
Parte dos imigrantes seguirão para a França, após decisão da Itália de rejeitá-los

De acordo com a vice-premier espanhola, Carmen Calvo, responsável pela operação de acolhimento dos refugiados, o governo aceitou a proposta apresentada pela França, após uma conversa com o embaixador francês em Madri. O presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, agradeceu ao mandatário francês, Emmanuel Macron, pela oferta.

— Esta é a cooperação com a qual a Europa deve responder à crise imigratória — disse Sánchez, segundo a mídia local.

Crise diplomática

O navio Aquarius resgatou há uma semana 629 imigrantes no Mar Mediterrâneo. A princípio, a embarcação solicitou autorização à Itália e Malta para desembarcar os passageiros em seus portos, mas o pedido foi negado. A Espanha aceitou dar acolhimento aos 629 homens e mulheres em situação crítica de sobrevivência.

O novo governo da Itália, formado pelo partido nacionalista Liga Norte e pelo antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), tem adotado uma política mais restrita à imigração.

A negação da Itália gerou até uma tensão diplomática com a França, que acusou Roma de “cinismo e irresponsabilidade”.

Neofascista

Na véspera, o premier italiano, Giuseppe Conte, reuniu-se com Macron, em Paris, na tentativa de amenizar a crise e sugerir novas soluções ao problema imigratório.

Mas, neste sábado, o ministro do Interior da Itália, o neofascista Matteo Salvini, voltou a afirmar que nenhum outro navio de ONG que resgata imigrantes no mar terá autorização para atracar no país.

“Fiquem sabendo que a Itália não quer mais ser cúmplice de um business da imigração clandestina. Vocês devem procurar outros portos, não italianos, para se dirigirem. Como ministro e como pai, faço isso pelo bem de todos”, escreveu Salvini na linha do tempo de uma rede social.