Granada da Primeira Guerra aparece em saco de batatas em Hong Kong

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 3 de fevereiro de 2019 as 11:20, por: CdB

Fábrica de chips em Hong Kong descobre armamento entre tubérculos importados da França. Especialistas da polícia desativam explosivo. Artefato possivelmente é originado de plantação localizada em antigo campo de batalha.

Por Redação, com DW – de Pequim

Uma granada de mão alemã da Primeira Guerra Mundial foi encontrada num carregamento de batatas importadas da França para uma fábrica de Hong Kong, informou neste domingo  a polícia do território, administrado pela China.

Granada foi encontrada em Hong Kong, em carregamento de batatas da França

O artefato, com oito centímetros de largura e pesando cerca de um quilo, foi encontrado no sábado na fábrica de batatas chips Calbee Snacks, sendo neutralizado sem problemas.

– A granada estava num estado instável, porque tinha sido acionada, mas a detonação havia falhado – disse o comissário Wilfred Wong Ho-Hon.

A polícia divulgou um vídeo mostrando especialistas da polícia depositando a granada num canal de drenagem na fábrica, antes de a detonarem.

O historiador militar Dave Macri, da Universidade de Hong Kong, afirmou ao jornal de Hong Kong South China Morning Post que a granada possivelmente fora abandonada numa trincheira durante a Primeira Guerra Mundial, numa área posteriormente transformada num campo de cultivo de batatas, tendo sido misturada acidentalmente aos tubérculos durante a colheita.

A polícia de Hong Kong é acostumada a lidar com artefatos bélicos antigos. Entretanto, a maioria dos explosivos encontrados é originada da Segunda Guerra, do período em que a região foi alvo de pesados bombardeios americanos após ter sido invadida por militares japoneses.

No ano passado, o esquadrão de desativação de bombas desativou três grandes bombas da Segunda Guerra Mundial, duas das quais foram encontradas no movimentado bairro de Wanchai, no canteiro de obras de uma nova estação de metrô.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *