Greve pelo clima reúne mais de 40 mil pessoas na Nova Zelândia

Arquivado em: Europa, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 27 de setembro de 2019 as 10:10, por: CdB

Em Wellington, capital do país, juntaram-se crianças com uniforme escolar, adolescentes e velhos ex-combatentes.

Por Redação, com Reuters – de Wellington

Mais de 40 mil pessoas, um número recorde, manifestaram-se nesta sexta-feira em frente ao parlamento da Nova Zelândia para lançar a greve mundial pelo clima.

Em Wellington, manifestante exibe cartaz onde se lê: você não pode nos ignorar, mas vai se arrepender
Em Wellington, manifestante exibe cartaz onde se lê: você não pode nos ignorar, mas vai se arrepender

Em Wellington, capital do país, juntaram-se crianças com uniforme escolar, adolescentes e velhos ex-combatentes, entre cartazes onde se liam mensagens como “Nós faltamos à escola para vos ensinar” ou “Negação = Morte”.

Em outro cartaz, lia-se simplesmente “O que a Greta disse”, em referência ao discurso de segunda-feira passada da jovem sueca Greta Thunberg, ativista pelo clima, nas Nações Unidas.

“Como se atrevem?” foi a mensagem da ativista aos líderes mundiais, criticando o que considera a inação política face às alterações climáticas.

Indignação

Um dos manifestantes, James Capie, de 13 anos, disse que partilha o mesmo sentimento de indignação de Greta Thunberg e garantiu que continuará a protestar até ver satisfeitas as suas exigências.

– As pessoas têm o direito de estar zangadas. A minha geração não devia ter que faltar à escola – declarou. Michael Alspach, de 37 anos, participou da manifestação com a sua filha de 17 meses, Ella, dizendo que não seria capaz de olhar a menina nos olhos se não fizesse tudo para garantir o seu futuro.

Esperança

– É ótimo ver aqui com tanta gente. Mudar de perspectiva é a primeira etapa, as ações vêm depois das ideias e tenho esperança – afirmou.

Há uma semana, mais de 4 milhões de pessoas mobilizaram-se em todo o mundo para uma “Sexta-feira pelo futuro”, o movimento de greve estudantil lançado há um ano por Greta Thunberg.

Portugal também se mobilizou pelo clima, com múltiplas iniciativas associadas a uma greve geral, às aulas, ao trabalho e ao consumo, numa tentativa de envolver a sociedade na defesa do planeta, incentivada pelos jovens.

Cerca de 170 países organizaram mais de seis mil eventos através das redes sociais e iniciativas da sociedade civil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *