Grupo militante se retira de área desmilitarizada na Síria

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 30 de setembro de 2018 as 11:48, por: CdB

O grupo islâmico Legião do Sham iniciou a retirada de tropas do sul da província de Aleppo, vizinha a Idlib, o último reduto opositor no país.

Por Redação, com EFE – do Cairo

Um primeiro grupo rebelde começou neste domingo a se retirar da área de desmilitarização estabelecida no norte da Síria como parte do acordo entre Rússia e Turquia, que impediu a ofensiva do regime sírio na província de Idlib, segundo informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Um primeiro grupo rebelde começou neste domingo a se retirar da área de desmilitarização estabelecida no norte da Síria

O grupo islâmico Legião do Sham iniciou a retirada de tropas do sul da província de Aleppo, vizinha a Idlib, o último reduto opositor no país, explicou à agência EFE o diretor da ONG, Rami Abdul Rahman.

– A Legião do Sham tem entre 8,5 mil e 10 mil militantes e faz parte da Frente Nacional para a Libertação – comentou Abdul Rahman.

Segundo a ONG, a Legião do Sham é o segundo maior grupo na região de Idlib em quantidade de armamento e a terceira em número de militantes.

A facção insurgente se retirou da região a pedido da Turquia, após ontem não ter ocorrido nenhuma retirada de nenhum grupo rebelde.

Segundo a ONG, há ressentimento em alguns grupos porque a Inteligência turca os informou que “as forças do regime não recuarão nem um passo nem abaixarão suas armas pesadas”. A fonte acrescentou que, até o momento, a Legião do Sham não retirou suas armas pesadas da região.

O acordo firmado entre Turquia e Rússia em 17 de setembro, que paralisou a ofensiva anunciada pelo governo sírio contra Idlib, deve entrar em vigor em 15 de outubro.

As partes estabeleceram um prazo até 10 de outubro para retirar dessa região o armamento pesado, tanques e sistemas de artilharia dos grupos opositores.

O plano contempla a criação de uma área desmilitarizada de 15 a 20 quilômetro que dividirá as posições das tropas do governo e a oposição armada apoiada pela Turquia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *