Guerra às drogas dos EUA na América Latina precisa de reforma em meio à pandemia

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 1 de dezembro de 2020 as 13:39, por: CdB

A política de combate às drogas dos Estados Unidos para a América Latina precisa mudar se os EUA quiserem combater com eficiência um problema agravado pela pandemia de covid-19.

Por Redação, com Reuters – de Washington

A política de combate às drogas dos Estados Unidos para a América Latina precisa mudar se os EUA quiserem combater com eficiência um problema agravado pela pandemia de covid-19, dirá uma comissão parlamentar norte-americana em um relatório bipartidário que será publicado nesta semana.

Foto de arquivo de apreensão de cocaína em Assunção, no Paraguai, em 2019
Foto de arquivo de apreensão de cocaína em Assunção, no Paraguai, em 2019

O relatório de 117 páginas exorta a implantação urgente de políticas interagências, sob o comando do Departamento de Estado dos EUA, para diminuir o suprimento de drogas. O documento também conclama as autoridades a combaterem a lavagem de dinheiro bloqueando o fluxo de fundos ilícitos que usam criptomoedas e transações financeiras complexas entre fronteiras.

O documento é resultado de 18 meses de pesquisa sobre a chamada “guerra às drogas”, que custou bilhões dos contribuintes norte-americanos sem acabar com os índices elevados de violência e corrupção em grande parte do hemisfério ocidental.

Ameaça cada vez mais complexa

“Uma ameaça cada vez mais complexa exige uma estratégia mais ágil e adaptável de longo prazo”, disse a Comissão de Política Antidrogas do Hemisfério Ocidental no relatório, visto pela agência inglesa de notícias Reuters antes de sua divulgação.

O documento chega no momento em que os problemas de saúde e o estresse econômico associados ao surto de coronavírus aumentam os desafios para se erradicar o tráfico de drogas na região.

“A pandemia exacerbou condições que estão piorando nossa crise de opiáceos atual, como a falta de tratamento adequado, a aflição econômica e o isolamento social”, disse o relatório, emitido por uma comissão formada por ex-autoridades de governos democratas e republicanos e membros da Câmara do Deputados.