A história das mulheres na Fórmula 1

Arquivado em: Esportes, Fórmula 1, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 3 de junho de 2020 as 16:04, por: CdB

Apenas seis mulheres dirigiram durante os finais de semana do Grande Prêmio, e dessas apenas duas realmente participaram de corridas, com Lella Lombardi da Itália sendo a última. E isso foi há mais de 40 anos.

 

A pioneira foi Maria Teresa de Filippi, que participou do Grande Prêmio de Mônaco de 1958
A pioneira foi Maria Teresa de Filippi, que participou do Grande Prêmio de Mônaco de 1958

A história das mulheres na Fórmula 1 infelizmente é curta. Durante décadas, a categoria é um esporte masculino, com poucas mulheres em papéis importantes ou ao volante. Apenas seis mulheres dirigiram durante os finais de semana do Grande Prêmio, e dessas apenas duas realmente participaram de corridas, com Lella Lombardi da Itália sendo a última. E isso foi há mais de 40 anos.

A pioneira foi Maria Teresa de Filippi, que participou do Grande Prêmio de Mônaco de 1958. Durante os treinos, 31 pilotos tentaram se classificar, com apenas metade atingindo o tempo para estar na prova. Embora De Filippis tenha sido uma das que não conseguiram estar na prova, ela foi um marco para as mulheres.

Maria estava décadas à frente de seu tempo, embora isso significasse que ela enfrentava discriminação daqueles em posições de poder. No Grande Prêmio da França, ela foi impedida de competir pelo diretor da corrida que, segundo ela em uma entrevista em 2006, disse que “o único capacete que uma mulher deve usar é o do cabeleireiro”. Uma declaração que hoje chocaria, mas infelizmente não é uma opinião totalmente deixada no passado.

Aurora F1

Passariam 15 anos antes que outra mulher seguisse seus passos. Lella Lombardi participou de 17 corridas, começando 12 entre 1974 e 1976, e continua a ser a única piloto da história a marcar pontos na F1. Lombardi terminou em sexto no GP da Espanha de 1975, que, devido a uma tragédia que matou cinco pessoas, foi interrompida antes da metade com Leila marcando o que continua sendo o meio ponto mais importante para as mulheres na F1.

A Grã-Bretanha também tem sua representante que tentou entrar no Grande Prêmio da Inglaterra de 1976. Divina Galica era uma ex-atleta olímpica de inverno que assumiu o automobilismo como uma segunda carreira.

A próxima a tentar foi Desiré Wilson, que teve desempenho inexpressivo. A piloto tentou classificar-se para o Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1980, mas não conseguiu. Entretanto, naquele mesmo ano, na curta série de Fórmula 1 Britânica, também conhecida como Aurora F1, disputada com carros antigos, ela se tornou a única mulher a vencer uma corrida com um carro de Fórmula 1 quando ganhou a etapa de Brands Hatch.

Fora de alcance

Mais recentemente, Giovanna Amati participou de 3 corridas em 1992, no entanto, depois de não se classificar, ela foi substituída pelo futuro campeão mundial Damon Hill, que também não se classificou para seis das oito corridas seguintes. Mesmo no mundo cruel da F1 atual, é difícil imaginar uma equipe que abandone um piloto após apenas 3 corridas ruins.

A Fórmula 1 não tem mulheres corredoras desde então, apesar de várias terem testado para diversas equipes. Katherine Legge testou para a Minardi em 2005, Carmen Jordá para a Lotus F1 em 2015 e Tatiana Calderón está em programas de desenvolvimento da Alfa Romeo.

A mais famosa da atualidade e, sem dúvida, mais influente delas é Susie Wolff. Piloto de testes da Williams em 2012, ela se tornou a primeira mulher a se envolver em um fim de semana de Fórmula 1 desde Amati, quando dirigiu em uma sessão de treinos no Grande Prêmio da Inglaterra em 2014.

No entanto, ela se aposentou após a temporada de 2015, quando sentiu que seu sonho de ter um assento permanente em um carro de F1 estava fora de alcance.

Atitudes

A situação atual é melhor que das últimas décadas, com mais e mais mulheres sendo vistas realizando trabalhos importantes, essenciais para o sucesso das equipes. Em 2012, Monisha Kaltenborn se tornou a primeira mulher a ser nomeada para a função de chefe de equipe de uma equipe de F1, na Sauber.

Atualmente também dirigindo uma equipe de F1 está Claire Williams, filha de Sir Frank, ela é a chefe da Williams F1. Começando como oficial de comunicação em 2002, trabalhou até 2013, quando foi nomeada vice-diretora da equipe, com o pai mantendo a função de chefe da equipe. Uma figura extremamente influente no automobilismo, ela continua sendo uma luz brilhante para as mulheres nos papéis mais importantes da F1.

Em termos de termos uma piloto, o futuro parece forte, embora talvez isso não aconteça imediatamente. Outras fórmulas têm abraçado mulheres com a Fórmula E já tendo três pilotos mulheres desde sua corrida inaugural em 2014, e Calderón atualmente correndo na Fórmula 2. Parece que houve uma grande mudança de atitudes e, esperançosamente, nas próximas temporadas, veremos a prova disso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *