Homem faz reféns em supermercado na França

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2018 as 10:51, por: CdB

Polícia faz cerco a estabelecimento em Trèbes, no sul do país. Sequestrador teria jurado aliança ao “Estado Islâmico”. Há ao menos dois mortos e vários feridos

Por Redação, com DW – de Paris:

Pelo menos duas pessoas morreram e cerca de 10 ficaram feridas nesta sexta-feira, quando um homem armado, jurando lealdade ao “Estado Islâmico”, abriu fogo na pequena cidade de Trèbes, no sul da França, e em seguida se entrincheirou num supermercado, fazendo reféns.

Sequestrador teria jurado aliança ao “Estado Islâmico”. Há ao menos dois mortos e vários feridos

A situação está em andamento, e a polícia mantém o cerco ao supermercado. Os primeiros tiros teriam sido disparados contra um grupo de policiais; mas não está claro se um deles está entre as vítimas ou se há mortos entre os reféns.

Também não há confirmação de quantos reféns estão no supermercado.

O governo francês descreveu a situação como “muito séria”; e forças antiterrorismo foram mobilizadas ao local. “Todas as informações que temos apontam para terrorismo”; disse o primeiro-ministro Edouard Philippe.

O atirador teria gritado em árabe “Deus é grande” e dito ser um soldado do “Estado Islâmico”; segundo a imprensa francesa. Ele também teria pedido a libertação de Salah Abdeslam; único terrorista sobrevivente dos ataques terroristas de novembro de 2015 em Paris.

Segundo uma fonte de segurança citada pela agência de notícias AFP;  investigadores suspeitam que o atirador seja um marroquino que havia sido listado pelas autoridades como um extremista em potencial.

Ainda de acordo com a AFP, o carro dirigido por um homem que atirou contra e feriu um policial em Carcassonne; também no sul da França, na manhã desta sexta-feira, foi encontrado no estacionamento do supermercado onde foram feitos reféns.

A França está sob alerta desde a série de atentados extremistas islâmicos; que deixou mais de 200 mortos no país em 2015 e 2016.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *