Homem negro baleado pela polícia dos EUA perde o movimento das pernas

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 25 de agosto de 2020 as 13:14, por: CdB

O afro-americano Jacob Black está paralisado depois de ser baleado pela polícia no Estado norte-americano de Wisconsin, disse seu pai à imprensa nesta terça-feira. Blake foi baleado oito vezes em Kenosha, Wisconsin, no último domingo, na frente de três de seus filhos.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

O afro-americano Jacob Black está paralisado depois de ser baleado pela polícia no Estado norte-americano de Wisconsin, disse seu pai à imprensa nesta terça-feira.

Homem negro dos EUA baleado pelas costas pela polícia perde o movimento das pernas
Homem negro dos EUA baleado pelas costas pela polícia perde o movimento das pernas

Blake foi baleado oito vezes em Kenosha, Wisconsin, no domingo, na frente de três de seus filhos, depois que a polícia chegou ao local onde ele tentou interromper uma briga entre duas mulheres.

O pai de Blake disse que seu filho agora tem “oito buracos” no corpo e está paralisado da cintura para baixo, relatou o jornal Chicago Sun-Times. Os médicos atualmente não sabem se a lesão é permanente ou se eles poderão tratá-la, acrescentou o períodico.

– Quero colocar minha mão no rosto do meu filho e beijá-lo na testa, e então vou ficar bem – disse o pai de Blake. “Vou beijá-lo com minha máscara. A primeira coisa que quero fazer é tocar meu filho.”

O incidente aconteceu na cidade de Kenosha, onde Blake mora com sua esposa e seis filhos. Família é “definitivamente” importante para Blake, disse seu pai. A parceira de Blake, Laquisha Booker, disse a uma estação de TV local que seus três filhos estavam no carro quando a polícia atirou nele.

Moradores furiosos

Moradores furiosos foram às ruas de Kenosha e outras cidades do país após as imagens do incidente tomarem a internet. Manifestantes em Kenosha incendiaram e vandalizaram empresas locais durante a noite.

O governador de Wisconsin, Tony Evers, autorizou o envio de tropas da Guarda Nacional para a cidade.

Protestos que duraram meses eclodiram nos Estados Unidos em maio, depois que o homem negro George Floyd morreu assassinado pela polícia em Minneapolis.