Homem que tentou se matar em frente à Casa Branca era informante do FBI

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 16 de novembro de 2004 as 08:43, por: CdB

O homem que ateou fogo ao próprio corpo na frente da Casa Branca nesta segunda-feira era um informante federal iemenita sobre terrorismo que ficou contrarido com o tratamento que o FBI (polícia federal) deu a seu caso, informou a edição desta terça-feira do jornal The Washington Post.

Mohamed Alanssi, que recentemente discutiu com o diário seu trabalho como informante, disse ao jornal em uma carta enviada por fax e por telefone que pretendia “queimar meu corpo em um lugar inesperado”.

Segundo autoridades dos EUA, um homem originário do Oriente Médio na faixa dos 50 anos se aproximou de um portão da Casa Branca por volta das 14h (17h, horário de Brasília), com uma carta para o presidente. Após uma breve conversa com oficiais do Serviço Secreto, ele tirou um isqueiro do bolso e botou fogo em sua jaqueta. O Washington Post afirmou que Alanssi foi levado para um hospital, onde está em estado grave, com queimaduras em cerca de 30% do corpo.

Um porta-voz do FBI em Washington não estava disponível para comentar a notícia do Post nesta manhã. Em entrevistas ao jornal, Alanssi, que é do Iêmen e também usa o nome Mohamed Alhadrami, expressou angústia por não poder voltar a seu país para visitar a família.

Ele disse ao Post que sofre de diabetes e de problemas cardíacos e que sua mulher tem câncer de estômago. Segundo Alanssi, ele não podia ir ao Iêmen porque não tem dinheiro e porque o FBI – que espera seu depoimento em um julgamento sobre terrorismo em Nova York – detém seu passaporte.

– O FBI já destruiu minha vida e a vida da minha família e nos colocou em uma posição muito difícil…Não sou louco por destruir minha vida e a da minha família para conseguir 100 mil dólares – disse.

De acordo com Alanssi, ele se tornou informante do FBI depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 contra os EUA.