Hong Kong se prepara para novos protestos contra lei de extradição

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 11 de junho de 2019 as 11:19, por: CdB

A polícia ergueu barreiras de metal para proteger o prédio do Conselho, enquanto um pequeno número de manifestantes começava a se reunir nesta terça-feira, apesar das chuvas torrenciais e dos avisos de tempestade.

Por Redação, com Reuters – de Hong Kong

Hong Kong se preparou para greves, atrasos nos transportes e outro protesto em massa contra uma proposta de lei de extradição que permitiria que pessoas sejam enviadas à China para julgamento, e a líder da cidade controlada pela China prometeu resistir às manifestações.

Manifestantes protestam contra projeto de lei de extradição em Hong Kong

A líder Carrie Lam disse que vai seguir em frente com o projeto, apesar das profundas preocupações em grande parte do centro financeiro asiático, o que desencadeou no domingo a maior manifestação política em mais de 15 anos.

Em uma atitude rara, líderes empresariais proeminentes alertaram que a aprovação da lei de extradição poderia minar a confiança dos investidores em Hong Kong e desgastar suas vantagens competitivas.

Estima-se que o projeto de lei, que gerou uma ampla oposição no país e no exterior, passe por uma segunda rodada de debates na quarta-feira no Conselho Legislativo, composto por 70 membros. A legislatura é controlada por uma maioria pró-Pequim.

Petição

Uma petição online pediu que 50 mil pessoas cercassem o prédio do Legislativo às 22h (horário local) desta terça-feira e permanecessem até quarta.

O Reino Unido devolveu Hong Kong à China mediante a fórmula “um país, dois sistemas”, com garantias de que sua autonomia e suas liberdades, incluindo um sistema de justiça independente, seriam protegidas.

No entanto, muitos acusam a China de ampla interferência em muitos setores, inclusive de impedir reformas democráticas, limitar as liberdades e interferir em eleições locais, além do desaparecimento de cinco vendedores de livros sediados em Hong Kong, a partir de 2015, que se especializavam em obras críticas a líderes chineses.

Após confrontos na madrugada de segunda-feira entre alguns manifestantes e policiais depois de uma marcha pacífica no domingo, Lam alertou contra quaisquer “ações radicais”.

A polícia ergueu barreiras de metal para proteger o prédio do Conselho, enquanto um pequeno número de manifestantes começava a se reunir nesta terça-feira, apesar das chuvas torrenciais e dos avisos de tempestade.

– Nós só queremos proteger nossa terra natal. Isso está errado?… Peço a todas as pessoas e a todos os estudantes de Hong Kong que entrem em greve na quarta-feira para lhes dizer que não vamos aceitar essa lei perversa – disse um estudante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *