Horário de verão termina neste fim de semana

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sábado, 17 de fevereiro de 2018 as 11:08, por: CdB

Segundo o Ministério de Minas e Energia, o volume energético, e o respectivo valor monetário, poupado com a determinação deverá ser divulgado na próxima terça-feira

Por Redação, com ABr – de São Paulo:

À meia-noite deste sábado, os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem atrasar seus relógios. É o fim do horário de verão, que entrou em vigor no dia 15 de outubro do ano passado, com o objetivo de reduzir o consumo de energia elétrica entre as 18h e as 21h nas três regiões. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o volume energético, e o respectivo valor monetário, poupado com a determinação deverá ser divulgado na próxima terça-feira.

Relógios devem ser atrasados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste

Além do Distrito Federal, 10 unidades federativas precisarão adaptar seus ponteiros: Goiás; Mato Grosso; Mato Grosso do Sul; Minas Gerais; Paraná; Rio de Janeiro; Rio Grande do Sul; Santa Catarina; São Paulo e Espírito Santo. A população do Norte e do Nordeste não é afetada porque os estados da região não são incluídos no horário de verão.

Segundo balanço do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS); com essa providência, em 2013, o Brasil economizou R$ 405 milhões, ou 2.565 megawatts (MW). No ano seguinte, a economia baixou para R$ 278 milhões (2.035 MW) e; em 2015 caiu ainda mais, para R$ 162 milhões. Em 2016, o valor sofreu nova queda, para R$147,5 milhões.

Influência do horário de verão

Essa menor influência do horário de verão pode ser explicada pelo fato de; que parcelas significativas das zonas sujeitas à medida têm intensificado o uso de equipamentos como ar-condicionado; como forma de aplacar o calor, elevando a demanda de energia elétrica. Ainda que já dispensem as lâmpadas incandescentes, substituindo-as por modelos mais econômicos.

No fim do ano passado, o governo federal sinalizou para a possibilidade de abolir o horário de verão; por não haver consenso quanto à relação com a economia de energia elétrica.

Apesar disso, acabou apenas abreviando o período 2018/2019 em duas semanas; a pedido do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); para facilitar a apuração dos votos das eleições, pois o então presidente do órgão, ministro Gilmar Mendes, argumentou que essa alteração facilitaria; entre os estados com fusos horários diferentes, o alinhamento de ritmo na apuração dos votos das eleições. Com isso, o horário de verão de 2018 passará a ser adotado no primeiro domingo de novembro.

– A avaliação dos atuais impactos na redução do consumo e da demanda de energia elétrica, contida nos estudos realizados neste ano de 2017 pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) em conjunto com o Ministério de Minas e Energia, mostra que a adoção do horário de verão traz atualmente resultados próximos da neutralidade para o sistema elétrico – avaliou a pasta em nota divulgada em outubro do ano passado.