Hungria não participará de Pacto Mundial para a Migração

Arquivado em: Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 18 de julho de 2018 as 14:28, por: CdB

O governo húngaro do primeiro-ministro nacionalista Viktor Orbán “decidiu se retirar do processo de aprovação do Pacto

Por Redação, com EFE – de Budapeste:

A Hungria decidiu que não participará do Pacto Mundial para uma Migração Segura, Ordenada e Regular, estipulado na semana passada na ONU, anunciou nesta quarta-feira em Budapeste o ministro de Relações Exteriores, Péter Szijjártó.

A Hungria decidiu que não participará do Pacto Mundial para uma Migração

O governo húngaro do primeiro-ministro nacionalista Viktor Orbán “decidiu se retirar do processo de aprovação do Pacto, por isso votará contra nas Nações Unidas e não participará da cúpula de Marraquexe”, onde o documento deve ser assinado em dezembro, disse Szijjártó à imprensa.

O ministro considerou que o acordo, ao qual qualificou de “extremista” e “contrário ao bom senso”, vai contra os interesses da Hungria.

– É extremista e fomenta a imigração – afirmou o ministro ao justificar a decisão adotada hoje pelo governo de Budapeste, para o qual “a imigração é algo ruim, que provoca problemas de segurança nacional “.

– Até agora se falou que o documento não seria vinculativo, mas ao final pede-se aos países que elaborem programas especiais – se queixou Szijjártó.

O Pacto Mundial para a Migração foi estipulado no último dia 13 pelos Estados membros da ONU, com a única exceção dos Estados Unidos, que se distanciaram do processo já em dezembro do ano passado.

ONU

O texto, que não é vinculativo e será adotado oficialmente em uma cúpula internacional em dezembro em Marraquexe, compromete os governos com toda uma série de objetivos na hora de tramitar as migrações.

A Hungria participou das negociações, mas seu governo se mostrou desde o primeiro momento muito crítico com o texto, entre outros motivos por considerar que não diferencia migrantes regulares e irregulares.

Entre as metas se destacam ampliar as vias de migração regular, usar a detenção de imigrantes ilegais unicamente como último recurso e oferecer acesso a serviços básicos a todos os imigrantes, sem importar seu status.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *