Ícone do fado português, morre Carlos do Carmo, aos 81 anos

Arquivado em: Cultura, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de janeiro de 2021 as 19:11, por: CdB

“Carlos do Carmo não foi apenas um fadista notável… uma das suas maiores contribuições para a cultura portuguesa foi a forma como renovou o fado e o preparou para o futuro,” escreveu o primeiro-ministro António Costa.

Por Redação, com agências internacionais – de Lisboa

O cantor português Carlos do Carmo, um dos artistas mais queridos do país, conhecido como o “Sinatra” do fado comovente e melancólico, faleceu nesta sexta-feira aos 81 anos. Do Carmo, nascido em Lisboa em 1939, despediu-se dos palcos no ano passado, após uma longa carreira durante a qual levou o fado pelo mundo. Tornou-se o primeiro artista português a receber o prêmio Grammy Latino pelo conjunto da sua obra em 2014.

Carlos do Carmo era considerado o grande cantor do fado português
Carlos do Carmo era considerado o grande cantor do fado português

Ele morreu na manhã do dia de Ano Novo no hospital Santa Maria, em Lisboa, após sofrer um aneurisma da aorta, informou a mídia portuguesa.

“Carlos do Carmo não foi apenas um fadista notável… uma das suas maiores contribuições para a cultura portuguesa foi a forma como renovou o fado e o preparou para o futuro,” escreveu o primeiro-ministro António Costa, no Twitter.

Tabernas

O fado, que surgiu nas ruas e tabernas de Lisboa no século XIX, expressa a tendência portuguesa para a saudade.

– Ele era a voz de Portugal – disse o presidente Marcelo Rebelo de Sousa à emissora TVI.

Embora o fado tradicional fosse o cerne de sua carreira, Do Carmo trouxe influências de estilos musicais de artistas que vão desde músicos da bossa nova brasileira a Frank Sinatra para dar a essa forma musical seu próprio toque, às vezes cantando com uma orquestra em vez do tradicional conjunto de apenas um cantor e dois guitarristas.

Ele levou o fado aos maiores palcos do mundo. Supervisionou ainda um filme sobre o fado, que estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto em 2007.

Tributos inundaram as redes sociais após a notícia de sua morte. A Marinha portuguesa postou no Twitter que Lisboa, cidade que inspirou uma das canções mais icônicas do cantor, “hoje acordou mais triste”.