Ícone indígena, Raoni é indicado ao prêmio Nobel da Paz de 2020

Arquivado em: Meio Ambiente, Últimas Notícias
Publicado sábado, 14 de setembro de 2019 as 13:40, por: CdB

Aos 89 anos, Raoni voltou à luta neste ano para buscar ajuda para o fim das queimadas que estão destruindo a floresta e quem acontecem devido aos planos de Bolsonaro.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

Um grupo de antropologistas e ambientalistas do Brasil propôs a indicação do líder indígena Raoni Metuktire, do povo Caiapó, como candidato ao prêmio Nobel da Paz de 2020 por seu trabalho voltado para a proteção da Floresta Amazônica.

tornou-se internacionalmente conhecido como um defensor do meio ambiente na década de 1980 com o cantor Sting ao seu lado

Raoni, ícone dos povos indígenas da Amazônia, tornou-se internacionalmente conhecido como um defensor do meio ambiente na década de 1980 com o cantor Sting ao seu lado.

Aos 89 anos de idade, Raoni voltou à luta neste ano para buscar ajuda para o fim das queimadas que estão destruindo a floresta e que estão ocorrendo, segundo ele, por causa dos planos do presidente Jair Bolsonaro para levar projetos econômicos para a Amazônia e de assimilação dos povos indígenas da floresta.

A Fundação Darcy Ribeiro anunciou nesta semana que propôs formalmente o nome de Raoni para a indicação ao comitê norueguês do Nobel, responsável pela escolha dos vencedores da premiação anual.

A fundação também escreveu ao presidente francês, Emmanuel Macron, para pedir apoio para a nomeação de Raoni. O líder indígena encontrou-se duas vezes neste ano com Macron, que criticou a política ambiental do governo Bolsonaro durante recente reunião dos líderes do G7.

Um porta-voz da fundação, Toni Lotar, afirmou neste sábado que a indicação de Raoni foi aceita inicialmente pelo comitê do Nobel, mas que a fundação ainda precisa completar o processo de nomeação.

– O chefe Raoni é um símbolo vivo da luta de proteção da natureza e dos direitos dos povos indígenas da Amazônia – disse Lotar à Reuters.

– Ele é respeitado mundialmente por uma vida dedicada à sobrevivência de nosso planeta que está ameaçada pelas mudanças climáticas – disse Lotar.

O governo de Bolsonaro nega que tenha encorajado uma campanha de queimadas na região amazônica e culpa a explosão nos focos de incêndio à temporada de seca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *