Idas e vindas ao exonerar e nomear assessores irritam líderes militares

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 as 18:51, por: CdB

Santini era o substituto imediato do ministro-chefe da Casa Civil, Ônix Lorenzoni. Ele foi demitido por usar uma aeronave da FAB como jato particular para ir a Davos, na Suíça, e depois à Índia. Ato seguinte, o executivo foi recontratado para o mesmo ministério, com salário um pouco menor.

 

Por Redação – de Brasília

 

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), conseguiu irritar os militares, justamente o núcleo de poder que o mantém no cargo, ao anunciar que tornou sem efeito a recontratação de Vicente Santini, na Casa Civil. De acordo com o ocupante do Planalto, uma nova edição do Diário Oficial da União foi rodada com a nova exoneração.

Indicado à Casa Civil, Onyx Lorenzoni adiantou que o Ministério do Trabalho será extinto
Ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni teve a pasta esvaziada, nesta quinta-feira, e corre o risco de ser exonerado

Santini era o substituto imediato do ministro-chefe da Casa Civil, Ônix Lorenzoni. Ele foi demitido por usar uma aeronave da FAB como jato particular para ir a Davos, na Suíça, e depois à Índia. Ato seguinte, o executivo foi recontratado para o mesmo ministério, com salário um pouco menor.

Bolsonaro sinalizou que a ideia de recontratar Santini foi do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O ocupante do Planalto anuncia um “castigo” para o ministro, que perde o PPI, o plano de concessões e privatizações, para o Ministério da Economia.

Demissões

Nos poucos meses em que permaneceu no governo, Santini recebeu R$ 90,9 mil em diárias. O valor refere-se a viagens feitas na comitiva presidencial ou do ministério da Relações Exteriores. Santini fez 15 viagens em 2019, apontaram números do Portal da Transparência.

A falta de uma direção clara do Executivo tem levado a ala militar do governo Bolsonaro, com apoio de ministros de fora do Planalto, a articular a demissão de Lorenzoni e do ministro da Educação, Abraham Weintraub. O desgaste de ambos teria chegado ao limite. Contra Onyx pesa ainda o fato de ter apresentado Weintraub a Bolsonaro.

Na avaliação de seus aliados, Lorenzoni deveria deixar o governo e voltar para a Câmara dos Deputados. O ministro está em férias e retorna a Brasília na próxima segunda-feira. Nos bastidores, o ministro perdeu poder à frente da Casa Civil; além de ser bombardeado por outros colegas de ministério.

Área social

Enquanto goza de suas férias, Lorenzoni perdeu o substituto imediato, Vicente Santini, após o voo particular no avião da FAB, e Fernando Moura, que ficou apenas um dia como interino. Uma saída estudada por aliados do ministro seria transferir Onyx para a área social, retirando-o do Palácio do Planalto, onde despacha diretamente com Bolsonaro.

O chefe da Casa Civil coordenou a transição do governo no final de 2018. Depois, na Casa Civil, acumulava a articulação política e a Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ), mas, no ano passado, Bolsonaro tirou a articulação de Onyx, que passou para a Secretaria de Governo, sob o comando de Luiz Eduardo Ramos.

O ministro também teria a função de coordenar a atuação de todas as pastas da Esplanada dos Ministérios, mas há reclamações nos bastidores. Um sinal de que Bolsonaro não está satisfeito com o trabalho foi ele mesmo ter passado a coordenação do Conselho da Amazônia, anunciado no início deste ano, para o vice-presidente, Hamilton Mourão.

Educação

Quanto ao ministro Weintraub, a crítica mais contundente partiu do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na opinião do presidente da Câmara, oi ministro da Educação é um “desastre” . Segundo Maia, que participou de uma coletiva de imprensa após um encontro, em São Paulo, Weintraub “brinca com o futuro de milhões de crianças do Brasil”.

— O ministro atrapalha o futuro das novas gerações e compromete a administração da educação no País com um discurso ideológico e ineficiência — acrescentou o deputado.

Ainda segundo Maia, o ministro Weintraub compromete o futuro das novas gerações, “e a cada ano que se perde com ineficiência e com o discurso ideológico de péssima qualidade, prejudica os anos seguintes da nossa sociedade. Mas quem nomeia e quem demite é o presidente”.

Erros em série

Weintraub enfrenta uma nova crise após falhas na verificação das provas do último Enem. Ele chegou a se gabar do “melhor Enem de todos os tempos”, antes de anunciar que milhares de notas foram divulgadas com erros.

Ao menos 5.974 pessoas receberam notas erradas, o que levou o caso para a Justiça. Rodrigo Maia aproveitou a ocasião para tecer críticas ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Segundo o presidente da Câmara, Salles seria um quadro de qualidade que precisa retomar o diálogo com os setores do meio ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *