Igreja Ortodoxa Russa ‘congela’ relações com Vaticano

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 3 de outubro de 2022 as 13:52, por: CdB

Segundo o metropolita, alguns comentários do papa Francisco e de seus assistentes “não contribuem de forma alguma” para a preparação de um encontro de Jorge Bergoglio com o Patriarca Cirilo e para uma maior cooperação entre as duas Igrejas”.

Por Redação, com ANSA – de Moscou

As relações entre a Igreja Ortodoxa Russa e a Igreja Católica Romana estão “praticamente congeladas”, disse nesta segunda-feira o metropolita Antonio de Volokolamsk, chefe do Departamento para as Relações Eclesiásticas Externas do Patriarcado de Moscou.

Francisco e Cirilo tiveram um histórico encontro em fevereiro de 2016 em Cuba e realizaram uma videoconferência em 16 de março deste ano

– Ultimamente, infelizmente, devo dizer que nossas relações estão praticamente congeladas – declarou ele no programa Church anda the World, na emissora Russia-24 TV.

Segundo o metropolita, alguns comentários do papa Francisco e de seus assistentes “não contribuem de forma alguma” para a preparação de um encontro de Jorge Bergoglio com o Patriarca Cirilo e para uma maior cooperação entre as duas Igrejas”.

Como exemplo, o representante da Igreja Ortodoxa russa lembrou que o último encontro entre os dois líderes religiosos, realizado em março por meio de comunicação remota, foi de “natureza benevolente”.

No entanto, passado algum tempo, a Igreja russa se surpreendeu ao ler a entrevista do Pontífice, na qual ele “admitia expressões absolutamente inadmissíveis neste contexto e informava que o encontro não se realizaria e que, em geral, ele não estava indo a lugar nenhum”.

Encontro em Jerusalém foi suspensa

Volokolamsk enfatizou ainda que a preparação de um encontro em Jerusalém foi suspensa pelo Vaticano.

Francisco e Cirilo tiveram um histórico encontro em fevereiro de 2016 em Cuba e realizaram uma videoconferência em 16 de março deste ano, quando o líder católico alertou o patriarca ortodoxo que “as guerras são sempre injustas” e que figuras religiosas “não devem usar a linguagem da política”.

Cirilo está alinhado ao regime de Vladimir Putin e já demonstrou apoio público à invasão da Ucrânia pela Rússia. Além disso, culpou o Ocidente e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) pelo conflito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *