Igrejas na Coreia do Sul suspendem missas para evitar contágio com coronavírus

Arquivado em: Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Saúde, Últimas Notícias
Publicado domingo, 1 de março de 2020 as 13:25, por: CdB

Pela primeira vez em seus 236 anos de história, a Igreja Católica da Coreia do Sul decidiu interromper as missas em mais de 1,7 mil locais em todo o país. Os templos budistas também cancelaram os eventos.

 

Por Redação, com Reuters – de Seul

Igrejas foram fechadas na Coreia do Sul neste domingo, com muitas delas realizando cultos online, e autoridades lutavam para conter reuniões públicas enquanto 586 novas infecções por coronavírus elevavam a contagem total para 3.736 casos.

O surto do vírus Sars-CoV-2 tem crescido na Coreia do Sul, causando até o cancelamento de missas nas igrejas católicas
O surto do vírus Sars-CoV-2 tem crescido na Coreia do Sul, causando até o cancelamento de missas nas igrejas católicas

Isso ocorria um dia após o maior salto diário de 813 casos na batalha da Coreia do Sul com o maior surto de vírus fora da China, disse o Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KCDC). O número de mortos subiu para 20, ante 17 no dia anterior.

Pela primeira vez em seus 236 anos de história, a Igreja Católica da Coreia do Sul decidiu interromper as missas em mais de 1,7 mil locais em todo o país. Os templos budistas também cancelaram os eventos, enquanto as principais igrejas cristãs realizavam cerimônias online.

‘Momento crítico’

Na capital Seul, cerca de uma dúzia de fiéis foi impedida de entrar na Igreja do Evangelho Completo de Yoido, que colocou um sermão para seus 560 mil seguidores no YouTube, filmado com um pequeno coral em vez de todos os 200 membros e 60 integrantes da orquestras.

— Ouvi dizer que não haveria culto, mas vim verificar como moro perto, mas sim, está tão vazio. É uma decisão sábia fazer (o culto) online, já que o vírus se espalharia facilmente em reuniões de massa e as igrejas não podem ser exceção — disse Song Young-koo, ao deixar a maior igreja da Coreia do Sul.

As autoridades alertaram para um “momento crítico” na batalha contra o vírus, instando as pessoas a não comparecerem a cultos religiosos e eventos políticos e a ficarem em casa neste fim de semana.