Imigrantes pulam cerca fronteiriça entre Espanha e Marrocos

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 22 de agosto de 2018 as 11:44, por: CdB

Os imigrantes usaram tesouras mecânicas, paus e objetos cortantes, cal virgem, ácido de bateria e excrementos, que lançaram contra os guardas, como já ocorreu na última invasão em massa, ocorrida há quase um mês

Por Redação, com EFE – de Madri

Mais de 100 imigrantes da África Subsaariana entraram nesta quarta-feira de maneira irregular na Espanha ao pularem a cerca fronteiriça que separa a cidade de Ceuta do Marrocos, no norte da África.

Mais de 100 imigrantes pulam cerca fronteiriça entre Espanha e Marrocos

Segundo fontes da Guarda Civil espanhola, sete agentes deste corpo de segurança sofreram ferimentos de diversa consideração – um foi levado ao hospital – devido à violência dos imigrantes, que não puderam ser contidos.

Os imigrantes usaram tesouras mecânicas, paus e objetos cortantes, cal virgem, ácido de bateria e excrementos, que lançaram contra os guardas, como já ocorreu na última invasão em massa, ocorrida há quase um mês.

Os 116 subsaarianos acessaram Ceuta pela área de Finca Berrocal, o mesmo lugar por onde conseguiram entrar 602 pessoas no dia 26 de julho.

Uma vez em Ceuta, os subsaarianos correram para o Centro de Estadia Temporária de Imigrantes (CETI), que segue sobrecarregado após a última chegada maciça de imigrantes.

Cruz Vermelha

As ambulâncias da Cruz Vermelha, que estavam de prontidão para cobrir as orações da festividade muçulmana do Eid al Adha, tiveram que se dirigir urgentemente até as imediações do CETI, onde ofereceram atendimento a vários subsaarianos com ferimentos, cortes e contusões leves.

Cinco dos imigrantes tiveram que ser transferidos para o hospital devido aos cortes provocados pelo arame farpado da cerca fronteiriça.

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, transmitiu todo seu apoio no Twitter às forças de segurança, em particular aos agentes feridos, já que estão enfrentando o “desafio migratório” de forma “exemplar”.

– O governo trabalha pelo diálogo e a cooperação com países de origem e trânsito e por uma gestão comum, eficiente e humanitária da migração – escreveu Sánchez na rede social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *