Impeachment de Bolsonaro ‘seria desastroso’, afirma Luiz Fux

Arquivado em: Brasil, Manchete, Últimas Notícias
Publicado domingo, 7 de fevereiro de 2021 as 11:44, por: CdB

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, afirmou que acredita que o impeachment de Jair Bolsonaro seria desastroso para o Brasil. Fux avalia que é preciso respeitar a decisão dos eleitores brasileiros e que o Brasil não aguentaria um terceiro impeachment.

Por Redação, com Sputnik – de Brasília

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, afirmou que acredita que o impeachment de Jair Bolsonaro seria desastroso para o Brasil. Fux avalia que é preciso respeitar a decisão dos eleitores brasileiros e que o Brasil não aguentaria um terceiro impeachment.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, afirmou que acredita que o impeachment de Jair Bolsonaro seria desastroso

As declarações foram feitas em entrevista ao Estadão, publicadas na noite deste sábado.

– Em um pós-pandemia, em que o país precisa se reerguer economicamente, atrair investidores e consolidar a nossa democracia, eu acho que seria um desastre para o Brasil. O Brasil não aguenta três impeachments. O país tem de ouvir o povo e o povo é ouvido através de seus representantes que estão no Parlamento. Acho que o impeachment seria desastroso – declarou Fux.

Na entrevista, Fux falou também sobre a situação do novo presidente da Câmara, Arthur Lira. Terceiro na linha sucessória da Presidência da República, Lira responde a denúncias no STF, por corrupção passiva e organização criminosa.

O presidente do STF avalia ter um réu na linha sucessória do país “não é o melhor quadro para o Brasil”. Vale lembrar que um precedente do Supremo já impediu o então presidente do Senado, Renan Calheiros, de ocupar interinamente a cadeira no Planalto por ser réu na época.

– Eu acho que, realmente, uma pessoa denunciada assumir a Presidência da República, seja ela qual for, é algo que até no plano internacional não é o melhor quadro para o Brasil – afirmou Fux.

Pandemia de covid-19

Entre outros assuntos sobre os quais se pronunciou, Fux respondeu aos ataques de que o STF tem sido omisso quanto à conduta de Jair Bolsonaro frente à pandemia de covid-19. Para ele, “o STF nunca eximiu o governo federal, absolutamente. Ninguém exonerou ninguém de responsabilidade”.

Além disso, disse que o Supremo está avaliando a denúncia contra o ministro da Saúde Eduardo Pazuello por uma possível omissão diante do colapso do sistema de saúde de Manaus. Fux disse que o ministro foi surpreendido pelo “fator-surpresa, porque alguns países também foram surpreendidos com falta de oxigênio”.

O presidente do STF afirmou ainda que a força-tarefa da Lava Jato, encerrada nesta semana, trouxe transformações sem precedentes para o Brasil e que, por conta da operação, o país passou a ser respeitado internacionalmente pela atuação contra desvio de dinheiro público. Segundo ele, “o combate à corrupção não vai retroceder”.

Sobre o auxílio emergencial, Fux diz que não se pode deixar pessoas à deriva e que, por isso, é favorável à prorrogação do benefício.

– Se eu pudesse imaginar a possibilidade de o Brasil continuar com esse auxílio, eu seria super favorável. É temerário nesse momento deixar essas pessoas à deriva. Nós já as deixamos há muito tempo – disse Fux.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code