Inca convoca doadores de medula óssea para atualizar dados cadastrais

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quarta-feira, 25 de setembro de 2019 as 12:03, por: CdB

A campanha pela atualização das informações no Redome vale para doadores de todo o Brasil.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Doadores de medula óssea cadastrados no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) estão sendo convocados pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) para atualizar seu cadastro. “As pessoas mudam de endereço, de telefone, e é comum não lembrarem de atualizar os dados no Redome”, disse o diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca (Cemo), Décio Lerner.

O banco de doadores é reservado para quem não tem doador na família

A campanha pela atualização das informações no Redome vale para doadores de todo o Brasil. A atualização dos dados permite que o doador seja localizado com maior agilidade em caso de compatibilidade com algum paciente.

Décio Lerner destacou a importância da doação, “porque isso pode salvar a vida de alguma pessoa que não teria outra chance de cura”.

Criado em 1993, o Redome é, atualmente, o terceiro maior registro do mundo, com mais de 4 milhões de doadores cadastrados, segundo Décio Lerner, ficando atrás somente dos Estados Unidos e Alemanha.

Compatibilidade

O Cemo faz, em média, 90 transplantes de medula óssea por ano, todos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Lerner informou que o banco de doadores de medula óssea é utilizado para quem não tem doador na família. No Redome, pode ser encontrado um doador totalmente compatível ou quase totalmente compatível.

Dependendo do tipo de doença, como no caso de leucemias avançadas, não faz diferença se o doador é totalmente compatível ou quase totalmente compatível, ressaltou o especialista.

Para outros casos, entretanto, a preferência é por doadores 100% compatíveis. Doenças benignas, como aplasia de medula (rara doença hematológica caracterizada pela produção insuficiente de células sanguíneas na medula óssea) e imunodeficiência (grupo de doenças caracterizadas por um ou mais defeitos do sistema imunológico), estão nesse caso.

O diretor do Cemo lembrou que a atualização dos dados dos doadores de medula óssea pode ser feita no site do Redome. Não foi definido prazo para isso, mas o Inca apela para a conscientização dos doadores no sentido de providenciarem a atualização cadastral o mais rápido possível.

Atendimento mais ágil no SUS

O Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, se reuniu, na terça-feira com o ministro da Dinamarca, Magnus Heunicke para atualização de ações de cooperação entre os dois países para o desenvolvimento do sistema de informação brasileiro na área de saúde pública. No encontro, os dois gestores discutiram sobre os chamados protocolos clínicos digitais, onde os melhores conhecimentos da medicina são oferecidos para quem precisa.

O projeto permite fazer melhor o diagnóstico e reunir uma sequência de exames para acompanhar o paciente a cada passo. Assim, o tratamento no SUS será mais seguro e previsível em suas etapas. O primeiro teste será realizado em Alagoas e os dinamarqueses devem vir ao Brasil acompanhar de perto a implementação e resultados.

Juntos, Brasil e Dinamarca, compartilham desafios semelhantes na melhoria da gestão da saúde, buscando mais qualidade de serviços com os mesmos recursos. “Essa cooperação soma-se aos esforços do Governo Federal para o aperfeiçoamento e inovação da gestão na saúde pública brasileira”, destacou o ministro Luiz Henrique Mandetta.

Ao longo de dois anos de parceria, o Brasil realizou várias atividades relacionadas ao sistema Grupo de Diagnóstico Relacionado (DRG), que trata da implementação de programas para unificação de dados e melhoria do atendimento aos usuários SUS.

As atividades desenvolvidas no projeto de cooperação possibilitaram aos técnicos do Ministério da Saúde conhecimento mais aprofundado sobre o sistema, especialmente sobre a metodologia de levantamento dos custos das atividades desenvolvidas nos estabelecimentos de saúde. Assim, além de garantir um atendimento mais adequado, a ferramenta pode ajudar na gestão hospitalar e no melhor uso do recurso público.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *