Indústria passa por seu pior pesadelo ao longo de um ano, devido à pandemia

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de fevereiro de 2021 as 17:12, por: CdB

Se for considerando apenas o mês de dezembro, o resultado foi positivo em 0,9%, registrando o oitavo mês consecutivo de alta. Os dados divulgados nesta terça-feira pelo instituto ainda mostram que a produção industrial cresceu 3,4% em comparação ao patamar pré-pandemia.

Por Redação, com RBA – de São Paulo

A produção industrial brasileira sofreu uma queda de 4,5% em 2020, de acordo com relatório do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado nesta terça-feira. O desempenho é o pior em cinco anos, quando houve recuo de 6,4%. O resultado cristalizou as perdas ocorridas em 2019, quando a indústria retraiu 1,1%.

A indústria termina o ano com perspectiva idêntica àquela no início da pandemiaa
A indústria termina o ano com perspectiva idêntica àquela no início da pandemia

Se for considerando apenas o mês de dezembro, o resultado foi positivo em 0,9%, registrando o oitavo mês consecutivo de alta. Os dados divulgados nesta terça-feira pelo instituto ainda mostram que a produção industrial cresceu 3,4% em comparação ao patamar pré-pandemia. Mesmo assim, não foi o suficiente para fechar o ano com alta no setor.

Segundo o gerente da pesquisa do IBGE, André Macedo, a produção industrial apresentou regularidade de crescimento nos últimos meses, com perfil generalizado de expansão. Três das quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos pesquisados tiveram alta nos números de dezembro em comparação com novembro.

Montadoras

O setor de veículos automotores, reboques e carrocerias cresceu 1.308,1% desde abril, eliminando a perda de 92,3% de março e abril, quando o país fechou fábricas para conter o avanço da covid-19 por meio de isolamento social.

O desempenho do setor em dezembro contribuiu também para a alta da metalurgia, que cresceu 19%, sexta taxa positiva seguida, acumulando alta de 58,6% desde julho. Esse segmento atua bastante na produção da indústria automobilística. Apesar disso, o segmento de veículos foi a maior influência negativa no acumulado de 2020 contra 2019, com queda de 28,1%. A metalurgia também marcou retração, de 7,2%.

Também cresceram em dezembro máquinas e equipamentos (6,0%), produtos têxteis (15,4%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,5%), produtos de borracha e de material plástico (4,8%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (8,4%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (4,7%) e produtos de metal (2,9%). Na outra ponta, recuaram os segmentos de produtos alimentícios (-4,4%), bebidas (-8,1%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,3%).