Inpe: queimadas no Brasil aumentam 82%

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 20 de agosto de 2019 as 10:29, por: CdB

Entre janeiro e agosto foram registrados 71.497 focos de queimadas, o maior número dos últimos sete anos, apontam dados do Inpe. Mato Grosso é o estado com mais ocorrências.

Por Redação, com DW – de Brasília

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados na segunda-feira apontam que as queimadas no Brasil aumentaram 82% quando comparadas as ocorrências registradas entre janeiro e 18 de agosto de 2019 às do mesmo período no ano passado.

Primeiros oito meses de 2019 tiveram 71.497 focos de queimadas contra 39.194 do ano anterior

Segundo o Programa Queimadas do Inpe, nos primeiros oito meses deste ano foram registrados 71.497 focos de queimadas contra 39.194 no ano anterior, marcando o maior número registrado desde 2013, primeiro ano de que o Inpe tem registro para o período. O recorde anterior ocorreu em 2016, quando foram registrados 66.622 focos.

Os estados onde foram registrados os maiores aumentos em relação ao ano passado foram: Mato Grosso do Sul (260%), Rondônia (198%), Pará (188%), Acre (176%) e Rio de Janeiro (173%). Os números do Mato Grosso, com 13.641 focos, correspondem a 19% do total das queimadas no Brasil neste ano e a um aumento de 88% em relação ao mesmo período de 2018.

O mês de agosto vem batendo o recorde dos últimos sete anos, com 32.932 focos de queimadas, o que significa um aumento de 264% em relação ao mesmo mês de 2018.

De acordo com os dados, gerados por imagens de satélite, nas 48 horas que antecederam o dia 19 de agosto, foram registrados 5.253 focos no Brasil. No mesmo espaço de tempo houve 1.618 focos na Bolívia, 1.166 no Peru, e 465 no Paraguai. Grandes áreas da Amazônia foram atingidas.

Segundo Alberto Setzer, pesquisador do Programa Queimadas do Inpe, as queimadas “são todas de origem humana, umas propositais e outras acidentais, mas sempre pela ação humana”.

– Para você ter queimada natural você precisa da existência de raios. Só que toda essa região do Brasil central, sul da Amazônia, está uma seca muito prolongada, tem lugares com quase três meses sem uma gota d’água – afirmou Setzer, citado pelo portal G1.

El Niño

De acordo com o pesquisador, que o fenômeno atmosférico El Niño contribui para o aumento da estiagem, mas não pode ser apontado com a causa dos incêndios, contribuindo apenas para que o fogo se espalhe.

Nesta segunda-feira, uma névoa escureceu o dia em São Paulo, no Mato Grosso do Sul e no norte do Paraná. À Folha de S. Paulo, Franco Nadal Villela, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), afirmou que a escuridão na capital paulista resultou da combinação de ventos que levaram material particulado das queimadas no Paraguai, na divisa com Mato Grosso do Sul, com a chegada de uma frente fria com nuvens bastante carregadas.

Ex-diretor do Inpe

Para um auditório lotado, Ricardo Galvão, ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) narra os bastidores do embate com o governo Bolsonaro sobre os dados do desmatamento da Floresta Amazônica. Desde que o sistema detectou aumento da degradação florestal, a partir de junho, o Inpe virou alvo de ataques do presidente e do ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Na sexta-feira, Galvão está em casa: a conversa é com estudantes e pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), onde ele é professor desde 1983, e para onde retorna após ser exonerado da diretoria do Inpe depois de rebater as críticas da cúpula do governo.

– Não podemos ficar calados – aconselhou à plateia. “Sempre que a ciência for atacada, temos que nos posicionar, independente da posição partidária”, disse.

No mesmo dia, na parte da manhã, Darcton Damião, militar da reserva da Aeronáutica, tomava posse à frente do Inpe, em São José dos Campos.

– A gente aguarda os primeiros passos do interventor. Vamos ver se haverá a próxima divulgação dos dados do desmatamento. Se isso não acontecer, está configurado o cerceamento à transparência e livre publicidade de dados científicos – comentou sobre o clima de tensão à DW Brasil Ivanil Elisário Barbosa, pesquisador do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e diretor do Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na área de Ciência e Tecnologia do Setor Aeroespacial (SindCT).

Dentre as principais falas de Galvão está a crítica ao sistema da tecnologia Planet, representado no Brasil pela empresa Santiago & Cintra, que será contratada pelo governo.

Segundo Galvão, as imagens que Salles usou para contestar os dados do Inpe foram feitas pela Planet. O então diretor teria pedido para ter acesso àquelas informações, elas seriam usadas para possíveis correções do sistema do instituto, caso fossem constatadas falhas.

– Salles disse que não poderia dar, que aquele trabalho havia sido feito gratuitamente pela Planet. O que nos preocupa muito são esses dados produzidos gratuitamente por uma empresa e apresentados como científicos – criticou o conflito de interesses.

Ninguém no ministério foi encontrado para comentar o caso.

Controle da ciência

Para Daniel Nepstad, pesquisador norte-americano que trabalha com a Amazônia há 30 anos, a tentativa de Bolsonaro de minar a credibilidade do Inpe ainda ressoa no mundo.

– O sistema de monitoramento da Floresta Amazônica ajudou a dar ao Brasil um papel de destaque no cenário internacional pela consistência dos dados produzidos e metodologia revisada por cientistas do mundo todo – avaliou em entrevista para à agência alemã de notícias Deutsche Welle (DW) .

Nepstad considera “lamentável que o governo atual volte atrás e perca esse papel de liderança”. O pesquisador afirma que a estratégia de negar a ciência e questionar resultados de pesquisas começou a ganhar maior proporção com a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, figura admirada por Bolsonaro, segundo declaração do próprio presidente brasileiro.

– Cientistas que trabalhavam em instituições governamentais na área de mudanças climáticas também sofreram retaliações – comentou Nepstad sobre o cenário norte-americano.

Desde então, segundo o pesquisador, políticas ambientais estão sofrendo desmonte. Um exemplo é a legislação em torno da água: medidas adotadas por Trump reduziram o controle de poluentes que vão parar nos rios. “Isso vai causar muitos problemas de saúde e crianças podem morrer”, citou como exemplo.

Os riscos para um país são grandes quando a ciência perde a autonomia, pontua José Goldemberg, que já foi ministro da Educação e secretário do Meio Ambiente nos anos 1990. “Ciência é a base de formulação de políticas públicas. Quando se mina a ciência, ficam prejudicadas as decisões do governo”, opina.

Ele cita um caso registrado na antiga União Soviética como exemplo. Nikolái Vavilov, botânico russo que estudava como deixar as plantas mais resistentes às secas para evitar catástrofes trazidas pela fome, foi considerado inimigo do Estado pelo ditador Josef Stalin e isolado profissionalmente. O banco de sementes formado por Vavilov, desprezado à época, é hoje um dos mais importantes da Rússia e permite pesquisas genéticas. “Mas tudo isso provocou muito atraso na Rússia nessa área de pesquisa”, menciona Goldemberg.

De volta às trevas?

Acioli Olivo, pesquisador do Inpe aposentado que atuou na instituição por 30 anos, lembra que dados do desmatamento já provocaram desconforto em governos anteriores, mas que as questões foram superadas.

A situação atual, por outro lado, é mais preocupante. “O Brasil não é um país de ponta em ciência e tecnologia, basta olhar o encolhimento dos orçamentos”, diz. Em 2004, R$ 4 bilhões foram destinados ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, valor que saltou para R% 12 bilhões em 2013. Atualmente, ele é inferior a R$ 3 bilhões. “Mas, na área ambiental, somos exemplo: temos tecnologia, temos algoritmo, metodologia reconhecida”, afirma Olivo, citando artigos sobre o tema publicados em revistas renomadas como Nature Science.

Ricardo Galvão também se diz preocupado com o futuro próximo. O recente corte de repasse anunciado pela Noruega ao Fundo Amazônia pode comprometer alguns projetos de pesquisa do Inpe financiados pelos recursos.

Ainda assim, o físico tenta demonstrar otimismo quando questionado se o país estaria de “volta às trevas”, numa referência à falta de dinheiro e censura da pesquisa científica, fazendo uma analogia com os tempos da Ditadura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *