Interessados na compra do TikTok recuam, diante possível bloqueio de Pequim

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Redes Sociais, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 31 de agosto de 2020 as 12:43, por: CdB

As ações dos interessados na compra das operações dos EUA do TikTok, Microsoft, Oracle e Walmart, recuavam nesta segunda-feira, após decisão da China de restringir algumas exportações de tecnologia gerar temores de que Pequim bloqueie qualquer negócio envolvendo o aplicativo.

Por Redação, com Reuters – de Pequim/Nova York

As ações dos interessados na compra das operações dos EUA do TikTok, Microsoft, Oracle e Walmart, recuavam nesta segunda-feira, após decisão da China de restringir algumas exportações de tecnologia gerar temores de que Pequim bloqueie qualquer negócio envolvendo o aplicativo.

Logotipo do Tik Tok ladeada pelas bandeiras de China e EUA
Logotipo do Tik Tok ladeada pelas bandeiras de China e EUA

As novas regras da China significam que a venda das operações norte-americanas do TikTok pela ByteDance pode precisar da aval de Pequim, disse um especialista em comércio à mídia estatal chinesa no domingo, exigência que complicaria a venda forçada e politicamente tensa do aplicativo.

Os três papéis reduziram perdas após a CNBC informar no início do dia, sem fornecer detalhes de suas fontes, que um acordo com o TikTok poderia ser anunciado já nesta terça-feira.

Executivos do TikTok disseram aos funcionários na semana passada que a empresa estava “agindo rapidamente para encontrar soluções para os problemas que enfrentamos globalmente, especialmente nos EUA e na Índia”.

China

A China, porém, revisou uma lista de tecnologias proibidas ou restritas para exportação pela primeira vez em 12 anos. Cui Fan, professor de comércio internacional da Universidade de Negócios e Economia Internacional de Pequim, disse que as mudanças se aplicariam ao TikTok.

– Isso é claramente direcionado a desacelerar as negociações da ByteDance neste arriscado jogo de pôquer – disse Daniel Ives, analista da Wedbush Securities.

– Com o algoritmo principal do TikTok em jogo, a ByteDance/TikTok provavelmente agora precisará passar por um procedimento de licenciamento em torno da necessidade de transferir o código de software da China para os EUA.

Apple e Tesla

As ações da Apple e da Tesla avançavam nesta segunda-feira, antes de seu primeiro pregão após um desdobramento que torna mais fácil para investidores de varejo investirem nas empresas.

É o mais recente desdobramento de ações da Apple desde um split de uma para sete ações em 2014 e o quinto desde sua listagem em 1980.

As ações da empresa, que subiram quase 30% desde que anunciou seu surpreendente desdobramento de uma para quatro ações e resultados trimestrais surpreendentes em 30 de julho, estavam sendo negociadas a US$ 126,56 nesta manhã, alta de 1,4% nas operações pré-mercado em comparação com a cotação ajustada para os valores pós-desdobramento na sexta-feira.

Os papéis da Apple fecharam a US$ 499,23 na sexta-feira, antes do split, uma alta de 70% neste ano.

A Tesla fez o mesmo no início deste mês, anunciando um desdobramento de uma para cinco ações, que também entrará em vigor nesta segunda-feira.

As ações da montadora, em alta de 61% desde que anunciou seu primeiro desdobramento em meados de agosto, fecharam a US$ 2.213 na sexta-feira. Estavam sendo negociadas com alta de 2,33%, a US$ 453, no pré-mercado desta segunda-feira, levando em conta o valor ajustado do desdobramento.

Facebook

O Facebook disse à agência inglesa de notícias Reuters na semana passada que a Apple rejeitou sua tentativa de informar aos usuários que a empresa ficaria com uma taxa de 30% nas vendas de um novo recurso de eventos online, forçando o Facebook a remover a mensagem para poder lançar a ferramenta.

O Facebook disse que a Apple citou uma regra da App Store que impede os desenvolvedores de mostrar informações “irrelevantes” aos usuários.

“Agora, mais do que nunca, devemos ter a opção de ajudar as pessoas a entender para onde o dinheiro que gastam com pequenas empresas realmente vai. Infelizmente, a Apple rejeitou nosso aviso de transparência sobre a taxa de 30%, mas ainda estamos trabalhando para disponibilizar essas informações dentro da experiência do aplicativo”, disse o Facebook em comunicado.

A Apple não respondeu a um pedido de comentário.

O Facebook anunciou no início deste mês que planeja lançar uma nova ferramenta que permitiria que influenciadores e outras empresas criassem eventos online pagos como uma forma de compensar a receita perdida durante a pandemia de covid-19.

A empresa disse que pediu à Apple que a isentasse da taxa de 30% que a fabricante do iPhone cobra para compras dentro de aplicativos para que o Facebook pudesse repassar todas as receitas de eventos aos proprietários de empresas, mas a Apple recusou.

O Facebook tinha como objetivo avisar os usuários sobre a taxa da Apple, de acordo com protótipos da ferramenta, mas à Reuters descobriu na quinta-feira que a mensagem prometida não estava presente no novo recurso de eventos.

A gigante de mídia social também planejou dizer aos usuários da Play Store do Google que a Alphabet não cobraria uma taxa, mas a mensagem também não foi exibida, descobriu à Reuters.