Irã aprova projeto de lei para impulsionar setor nuclear

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Europa, Manchete, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 1 de dezembro de 2020 as 12:07, por: CdB

O Parlamento iraniano aprovou nesta terça-feira um projeto de lei para impulsionar a atividade do setor da energia nuclear, afirma agência local. A normativa, ratificada com 251 votos a favor, contempla a produção e o armazenamento de 120 quilos de urânio a 20% (o urânio com enriquecimento superior a 20% é considerado de uso militar).

Por Redação, com Sputnik – de Teerã

O Parlamento iraniano aprovou nesta terça-feira um projeto de lei para impulsionar a atividade do setor da energia nuclear, afirma agência local.

Parlamento do Irã aprova projeto de lei para impulsionar setor nuclear
Parlamento do Irã aprova projeto de lei para impulsionar setor nuclear

A normativa, ratificada com 251 votos a favor, contempla a produção e o armazenamento de 120 quilos de urânio a 20% (o urânio com enriquecimento superior a 20% é considerado de uso militar), revela a agência Fars.

O projeto de lei autoriza a produção de pelo menos 500 quilos de urânio de baixo enriquecimento por mês. Atualmente, o Irã enriquece urânio acima dos 3,67% previstos pelo Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), acordo que assinou em julho de 2016 com o grupo 5+1 (Estados Unidos, China, França, Reino Unido, Rússia e mais Alemanha).

Ativação das avançadas centrifugadora

Os parlamentares iranianos indicaram que o projeto de lei supõe a ativação das avançadas centrifugadora de que o país dispõe.

A normativa implica, além disso, a construção de um novo reator de água pesada de 40 MW para produzir radioisótopos destinados à medicina.

Vários meios salientaram que o texto obriga o governo a suspender por dois meses o acesso às instalações nucleares que não fazem parte dos acordos com a Organização Internacional de Energia Atômica (OIEA).

Segundo a nova lei, o Executivo deve deixar de seguir o protocolo se o Irã não conseguir normalizar as operações bancárias com a Europa e a exportação de petróleo para essa região.