Irã descarta possibilidade de retirada das forças dos EUA do Oriente Médio

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de março de 2021 as 11:26, por: CdB

O embaixador iraquiano em Amã, Haidar al-Azari, disse que os países da região, incluindo a Jordânia e o Iraque, têm acordos estratégicos com Washington. O diplomata iraquiano descartou a possibilidade dos Estados Unidos retirarem suas forças da região do Oriente Médio.

Por Redação, com Sputnik – de Teerã/Washington

O embaixador iraquiano em Amã, Haidar al-Azari, disse à agência russa de notícias Sputnik que os países da região, incluindo a Jordânia e o Iraque, têm acordos estratégicos com Washington.

Embaixador iraquiano descarta possibilidade de retirada das forças dos EUA do Oriente Médio

O diplomata iraquiano descartou a possibilidade dos Estados Unidos retirarem suas forças da região do Oriente Médio.

– Não concordo com a visão de que os Estados Unidos possam se retirar da região – disse.

O embaixador observou que muitos países do Oriente Médio, incluindo a Jordânia e o Iraque, enxergam os EUA como parceiros, acrescentando que os Estados regionais têm “acordos estratégicos” com Washington.

Rússia

Haidar al-Azari, que atuou como embaixador do Iraque em Moscou entre 2016 e 2019, também destacou a importância do papel da Rússia na sua relação com os países da região.

– O Iraque é um parceiro importante para a Rússia, assim como para os EUA. É preciso haver um equilíbrio entre as grandes potências preocupadas com o Oriente Médio – disse ele.

– Acredito que EUA e Rússia deveriam estar representados na região. Os países regionais têm relações sólidas com eles. Quanto ao nosso papel, devemos saber como lidar com [esses] dois Estados – acrescentou.

No final de fevereiro, o presidente iraquiano, Barham Salih, por sua vez, disse que nem Bagdá, nem Washington, querem ter forças dos EUA no país, embora ambos estejam empenhados em manter a luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em uma série de países).

Pacto entre Israel e Arábia Saudita

Em conferência de imprensa, Estados Unidos dizem que têm a intenção de “recalibrar” sua relação com a Arábia Saudita, mas que valores da “América” devem estar em primeiro lugar.

Em conferência de imprensa na segunda-feira divulgada no site da Casa Branca, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, afirmou que Washington quer avançar para uma agenda mais ampla em seu relacionamento com Riad, incluindo a mediação de um acordo de paz entre o reino saudita e Israel, mas que só poderá realizar tais ações se a Arábia Saudita melhorar seu histórico de direitos humanos.

– Buscamos uma parceria que reflita nosso importante trabalho conjunto e nossos interesses e prioridades comuns, mas também uma parceria conduzida com maior transparência, responsabilidade e de acordo com os valores da América. Ao restabelecer as expectativas dos Estados Unidos para nosso relacionamento com a Arábia Saudita, nossa intenção é tornar essa parceria, que já tem cerca de 80 anos, ainda mais sustentável daqui para frente – disse o porta-voz do Departamento de Estado.

Embora o governo de Joe Biden tenha falado sobre sua intenção de conciliar mais países nas relações com Israel, esta é a primeira vez que a Arábia Saudita é mencionada nesse contexto.

– (Queremos) usar nossa liderança para forjar laços em toda a divisão mais amarga da região, seja encontrando o caminho de volta com o Irã para um diálogo regional significativo, ou forjando uma paz histórica com Israel (…) – disse Price na conferência.

Jerusalém não tem relações diplomáticas com a Arábia Saudita, mas manteve laços clandestinos de longa data que se fortaleceram nos últimos anos, quando os dois países enfrentaram uma ameaça comum no Irã, segundo o The Times of Israel.

Fontes do Estado israelense disseram que o ex-secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reuniram com príncipe saudita Mohammed bin Salman na cidade de Neom, no mar Vermelho, em novembro de 2020. A reunião, negada por Riad, alimentou especulações sobre um acordo de normalização entre Israel e Arábia Saudita, segundo a mídia.

O porta-voz do Departamento de Estado também destacou que existem outras questões entre os EUA e a Arábia Saudita, incluindo a ofensiva militar saudita no Iêmen e um tratamento mais amplo dos direitos humanos por Riad. Esses assuntos teriam forte impacto sobre sua futura relação com o reino saudita.

– Olhando para o futuro, as ações sauditas determinarão o quanto dessa ambiciosa agenda positiva compartilhada podemos alcançar. Estamos trabalhando para colocar o relacionamento no caminho certo (…), ao mesmo tempo em que abordamos as graves preocupações que o presidente e nossa equipe compartilham com o Congresso e muitos norte-americanos – disse Price citado pela publicação da Casa Branca.

Na última sexta-feira, o governo Biden desclassificou um relatório de inteligência que acusa o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, de ter ordenado o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi na Turquia em 2018, e decidiu não penalizar o príncipe saudita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code