Irã não aceita novas inspeções nucleares e critica os EUA

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado segunda-feira, 16 de junho de 2003 as 11:24, por: CdB

O governo do Irã, nesta segunda-feira, anunciou que não vai aceitar exigências para inspeções mais rigorosas em suas instalações nucleares e fez um protesto formal contra o que chamou de interferência dos Estados Unidos em seus assuntos internos.

O primeiro anúncio ocorreu no momento em que ministros das Relações Exteriores europeus, reunidos em Luxemburgo, se preparam para pedir que o Irã assine com urgência um protocolo adicional do Tratado de Não-Proliferação Nuclear, que prevê inspeções de armas mais rígidas e a curto prazo.

As críticas aos Estados Unidos se devem ao fato de o presidente George W. Bush ter considerado positiva a onda de protestos contra os líderes religiosos no país. As seis últimas noites na capital do país, Teerã, foram marcadas por manifestações por reformas políticas.

No domingo, um grupo de influentes intelectuais iranianos publicou uma carta aberta defendendo o direito da população de criticar seus líderes.

Pressões externas

Além das pressões internas, o Irã pode passar a sofrer maiores pressões externas por causa de seu programa nuclear.

Alguns países europeus querem que as negociações comerciais com o Irã, iniciadas no ano passado, sejam interrompidas.

Outros países dizem acreditar que a União Européia deve manter a porta aberta para o diálogo, como uma forma de obter maior transparêmcia em assuntos nucleares, progresso nas reformas políticas e respeito aos direitos humanos no país.

Segundo correspondentes, no entanto, o pedido dos europeus para que o Irã assine o protocolo nuclear estará, provavelmente, vinculado ao progresso das negociações entre a Europa e o país.

O Irã afirma que não vai dialogar sobre seu programa nuclear até que sejam suspensas as restrições de acesso à tecnologia impostas ao país.

Em uma outra reunião, em Viena, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) deverá divulgar um relatório, provavelmente criticando o programa nuclear iraniano.