Irã diz estar sofrendo ‘terrorismo médico’ por parte dos EUA

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 13 de março de 2020 as 13:59, por: CdB

O Irã disse nesta sexta-feira estar sofrendo “terrorismo médico” por parte dos Estados Unidos, que mantém suas sanções apesar da crise desencadeada pelo coronavírus no país.

Por Redação, com EFE – de Teerã

O Irã disse nesta sexta-feira estar sofrendo “terrorismo médico” por parte dos Estados Unidos, que mantém suas sanções apesar da crise desencadeada pelo coronavírus no país persa, onde até agora 514 pessoas morreram dos 11.364 casos de contágio.

O Irã disse nesta sexta-feira estar sofrendo
O Irã disse nesta sexta-feira estar sofrendo “terrorismo médico” por parte dos Estados Unidos

O Ministério da Saúde iraniano informou hoje que nas últimas 24 horas foram confirmados 1.289 novos casos de contágio, dos quais 85 morreram, o maior número desde o início do surto, há três semanas.

Dos mais de 11 mil pacientes, um total de 3.529 já se recuperou da Covid-19 e recebeu alta dos hospitais, cujo pessoal foi elogiado pelo Ministério das Relações Exteriores.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Abbas Mousavi, disse que a equipe médica do Irã é “a mais eficiente e corajosa do mundo”, por isso não precisam de médicos americanos, em resposta a uma sugestão do presidente Donald Trump.

– Em vez de compaixão hipócrita, pare o terrorismo econômico e médico para que medicamentos e equipamentos médicos cheguem ao povo do Irã – escreveu Mousavi no Twitter.

Sanções

Os EUA impuseram sanções ao Irã após a retirada unilateral do acordo nuclear de 2015 com esse país e, embora alimentos e medicamentos não sejam penalizados, restrições bancárias impedem qualquer transação.

É por isso que o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, escreveu às Nações Unidas e seus colegas de outros países para pedir o fim das sanções dos EUA e assistência médica.

Zarif lamentou ontem “a grande escassez causada pelas restrições” e publicou uma lista das 30 “necessidades mais urgentes”, que incluem desde máscaras e roupas de proteção para os profissionais de saúde até respiradores artificiais.

O Irã, terceiro país mais afetado pelo coronavírus, recebeu ajuda médica, incluindo equipamento de diagnóstico, da OMS e de vários países como a China.