Israel apoia uso de munição real por Exército em protestos em Gaza

Arquivado em: Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 25 de maio de 2018 as 11:58, por: CdB

As ONGs litigantes solicitavam que o tribunal propusesse uma ordem para proibir o uso de fogo real contra manifestantes que não representam uma ameaça direta para os soldados

Por Redação, com EFE – de Jerusalém:

O Supremo Tribunal israelense rejeitou dois pedidos de várias ONGs para proibir que o Exército utilize fogo real nos protestos na fronteira com Gaza, onde mais de cem palestinos morreram nas últimas semanas.

O Supremo Tribunal israelense rejeitou dois pedidos de várias ONGs para proibir que o Exército utilize fogo real nos protestos na fronteira com Gaza

– Esta sentença viola o direito constitucional mais importante: o direito à vida e à integridade física. Não satisfaz uma necessidade imediata – declarou nesta sexta-feira Suhad Bishara, advogado do Centro Legal pelos Direitos da Minoria Árabe em Israel (Adalah).

As ONGs litigantes solicitavam que o tribunal propusesse uma ordem para proibir o uso de fogo real contra manifestantes; que não representam uma ameaça direta para os soldados.

– Os disparos são realizados para dissuadir e assustar. Os testemunhos e os vídeos mostram que os disparos com fogo real para os manifestantes foram realizados; para danar a vida e a integridade física – disse Bishara.

O Supremo Tribunal rejeitou na quinta-feira à noite tanto o pedido apresentado por Adalah e pelo Centro para os Direitos Humanos (Al Balancem); como os da Associação para Direitos Civis em Israel, Yesh Din; Centro Legal para a Liberdade de Movimento (Gisha) e Centro para a Defesa do Indivíduo (HaMoked).

Hamas

Segundo o tribunal, cuja decisão foi unânime, o grupo Hamas, governante de fato em Gaza e considerado terrorista por Israel; UE, EUA e outros países, “mistura deliberadamente terroristas com civis; incluindo mulheres e crianças, para confundir as tropas israelenses”; indicou o jornal The Times of Israel.

No entanto, a presidente do tribunal, Esther Hayut; declarou que a sentença não invalida a exigência legal de uma investigação para evidenciar os fatos violentos; informou a emissora de rádio “Kan”.

Israel sustenta que os protestos, incentivados pelo Hamas, não podem ser considerados manifestações de civis.

Pelo menos 117 palestinos morreram desde o começo da Grande Marcha do Retorno, em 30 de março, nas imediações da fronteira que separa Gaza de Israel.