Israel e República Tcheca enfrentam terceiro lockdown

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado domingo, 27 de dezembro de 2020 as 11:07, por: CdB

Comércio fecha na República Tcheca menos de um mês após reabertura. Israel retoma confinamento em plena crise de governo. Argentina anuncia que campanha de vacinação começa na próxima terça-feira.

Por Redação, com DW – de Jerusalém

Depois das férias de Natal, a República Tcheca voltou neste domingo a um terceiro lockdown desde o começo da pandemia, que obriga o fechamento da maior parte do comércio, menos de um mês depois da reabertura das lojas.

Comércio volta a fechar na República Tcheca em meio a disseminação rápida do coronavírus
Comércio volta a fechar na República Tcheca em meio a disseminação rápida do coronavírus

Somente a venda de produtos de primeira necessidade fica permitida, como é o caso de supermercados, drogarias e farmácias.

Também são impostas restrições de saída e um toque de recolher noturno nacional, entre 21h e 17h. Encontros sociais em público com mais de duas pessoas proibido são proibidos, são havendo exceção para as festividades de Ano Novo. As medidas devem vigorar até pelo menos 10 de janeiro.

Os esportes de inverno também são afetados: os teleféricos de estações de esqui devem parar de funcionar. Casamentos e funerais podem acontecer com a presença de, no máximo, 15 pessoas.

Desde o início da pandemia, foram registradas no país pouco menos de 668 mil infecções pelo coronavírus e 10.950 mortes em decorrência da covid-19. O país, que é membro da UE, tem cerca de 10,7 milhões de habitantes.

A República Tcheca foi poupada do pior da pandemia no primeiro semestre, mas seu sistema de saúde chega ao final de ano perto do colapso.

Em Praga, o primeiro-ministro tcheco, Andrej Babis, lançou a campanha nacional de vacinação tcheca, dentro do esforço europeu de vacinação, ao receber a vacina contra covid-19 na madrugada de domingo e afirmou: “Não há nada para se preocupar”. Sentada ao lado dele, em uma cadeira de rodas, estava a veterana da Segunda Guerra Mundial Emilie Repikova, que também recebeu a injeção.

Israel

Em meio à campanha de vacinação contra o coronavírus e a uma crise política, Israel também entra neste domingo em um terceiro lockdown, que vigora a partir das 17h (horário local). A medida foi anunciada na última quinta-feira. O novo confinamento terá duração inicial de duas semanas, podendo ser estendido, se o número de contágios diários permanecer acima de mil.

Na quarta-feira, o Ministério da Saúde informou ter detectado em Israel quatro pessoas infectadas com a nova variante do coronavírus que surgiu no Reino Unido.

As medidas preveem um limite de circulação das pessoas de um quilômetro em torno das residências e o fechamento do comércio de produtos não essenciais, com poucas exceções. O transporte público e o sistema educacional funcionarão parcialmente. Somente alunos de 6 a 10 anos e de 16 e 17 anos continuarão frequentando as aulas, com horário limitado entre 8h e 13h.

Na noite de sábado, Netanyahu disse que a campanha nacional de vacinação lançada na semana passada tem como objetivo imunizar em um mês um quarto da população israelense.

Ele afirmou que conversou com os chefes das empresas que fabricam vacinas, que expressaram confiança de que o número necessário de doses poderá ser fornecido.

Netanyahu foi o primeiro israelense a receber uma injeção da vacina contra covid-19, em 19 de dezembro, antes do lançamento, na semana passada, de um programa de inoculação nacional.

O primeiro-ministro tem incentivos políticos para promover uma campanha de vacinação acelerada, após a queda na semana passada do governo de coalizão que ele formou em maio com seu ex-rival nas eleições e atual ministro da Defesa, Benny Gantz, provocando a realização de eleições antecipadas em março – a quarta votação em Israel em apenas dois anos.

A campanha eleitoral de Netanyahu pode ser prejudicada pelo início de uma fase mais intensa do processo em que ele é acusado de corrupção e pela saída da Casa Branca de seu aliado fiel, o presidente dos EUA, Donald Trump.

Analistas políticos afirmam que Netanyahu espera que uma campanha de vacinação rápida coloque uma economia devastada pela pandemia rumo à recuperação antes do dia das eleições.

Argentina começa vacinação

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou no sábado que a campanha nacional de vacinação de combate à covid-19 começa nesta terça-feira. O país já registrou 42.501 mortes e quase 1,6 milhão de infecções.

O governo federal e as províncias vão começar a inocular as 300 mil doses que chegaram ao país do inoculante Sputnik V, do laboratório russo Gamaleya. Esta é uma das duas vacinas aprovadas pelas autoridades sanitárias argentinas, junto com a produzida pela parceria do laboratório americano Pfizer com empresa alemã Biontech.

– A ideia é que quando chegar o outono, teremos o maior número de pessoas em grupo de risco vacinadas – disse Fernández à agência estatal Télam.

A decisão de iniciar a vacinação na terça-feira foi acordada por Fernández com os governadores provinciais, embora ainda faltem detalhes do plano estratégico de implementação.

A Argentina também assinou acordos de fornecimento de vacinas com a Universidade de Oxford, associada à farmacêutica Astrazeneca, e com o mecanismo Covax da Organização Mundial da Saúde (OMS), enquanto negocia a chegada do produto fabricado por Pfizer e Biontech.