Israel retira projeto de resolução da ONU

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quinta-feira, 27 de novembro de 2003 as 09:49, por: CdB

Israel retirou um projeto de resolução das Nações Unidas pela primeira vez em 30 anos por causa da oposição de países árabes.

O texto israelense propunha que as crianças israelenses fossem protegidas do terrorismo, espelhando-se em uma resolução aprovada no início deste mês exigindo que Israel proteja crianças palestinas em suas ações.

O embaixador israelense na ONU, Dan Gillerman, disse que os países críticos da resolução – na sua maioria, árabes – introduziram mudanças no texto que Israel não pôde aceitar.

Os opositores do texto substituíram o termo “crianças israelenses” por “crianças do Oriente Médio”, e introduziu menções ao “uso excessivo de força” do Exército israelense.

Segundo Gillerman, a mensagem da ONU às crianças israelenses ao não aprovar a resolução é que a vida delas “vale menos do que a das crianças palestinas”.

-Talvez alguém possa me explicar por que centenas de crianças israelenses mortas ou feridas em brutais ataques terroristas merecem menis compaixão e atenção- afirmou o embaixador.

‘Dois pesos, duas medidas’

Gillerman disse ainda, que enquanto vigorar o que Israel considera uma política de “dois pesos, duas medidas”, a ONU continuará ter sua credibilidade e relevância questionadas no Oriente Médio.

A Assembléia-Geral das Nações Unidas aprova mais de 20 resoluções condenando Israel todo ano. Sem a chancela do Conselho de Segurança – onde resoluções anti-Israel foram barradas pelos Estados Unidos – elas são sistematicamente ignoradas por Israel.

Apenas as resoluções do Conselho de Segurança têm valor legal.

Israel decidiu apresentar a sua própria proposta de resolução depois que um atentado suicida em Haifa matou quatro crianças em um total de 21 vítimas.

O embaixador palestino na ONU, Nasser al-Kidwa, disse que a resolução nunca seria aprovada porque Israel abusou do termo “crianças” para atingir objetivos políticos.

Mortes e expulsões

A decisão na ONU coincide com a morte de um menino palestino de nove anos, baleado na cabeça por tropas israelenses no campo de refugiados de Rafah, na Faixa de Gaza. O Exército israelense prometeu investigar o incidente.

Ainda nesta quarta-feira, tropas israelenses mataram outros dois palestinos, que supostamente estariam preparando um ataque em uma estrada usada por colonos judeus. Um terceiro palestino ficou gravemente ferido.

Segundo o Exército, os homens estavam tentando fugir em um carro. A versão da família é que eles estavam voltando para casa para celebrar o festival de Eid, que marca o fim do Ramadã (período sagrado de jejuns e orações no Islamismo).

Em outra ação que causou a revolta dos palestinos, Israel expulsou da Cisjordânia três homens que seriam militantes do grupo palestino Hamas.

Os homens, que não foram acusados formalmente, foram transferidos para a Faixa de Gaza, depois de perder um apelo na Suprema Corte de Israel.

A medida foi condenada por grupos de defesa dos direitos humanos, mas Israel alegou que os suspeitos não podem ser levados a julgamento porque isso prejudicaria as operações da inteligência israelense.