Israel limita vigilância de celulares sobre covid-19 a ‘casos especiais’

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 25 de maio de 2020 as 14:41, por: CdB

O gabinete israelense limitou o envolvimento do serviço de segurança Shin Bet no rastreamento de celulares de pessoas infectadas pelo coronavírus, dizendo que a medida será o último recurso onde a investigação epidemiológica se mostra insuficiente. 

Por Redação, com Reuters – de Jerusalém/Londres/São Paulo

O gabinete israelense limitou no domingo o envolvimento do serviço de segurança Shin Bet no rastreamento de celulares de pessoas infectadas pelo coronavírus, dizendo que a medida será o último recurso onde a investigação epidemiológica se mostra insuficiente.

Israel limita vigilância de celulares sobre coronavírus a
Israel limita vigilância de celulares sobre coronavírus a “casos especiais”

Contornando o Parlamento em março, quando o coronavírus se espalhou, o gabinete aprovou regulamentos de emergência que permitiam o uso da tecnologia, geralmente implantada para o combate ao terrorismo. Grupos de vigilância de privacidade contestaram a prática em tribunal.

Com o argumento de que as taxas de contágio em Israel estão em declínio, o gabinete alterou os regulamentos para que o rastreamento de telefone seja garantido “apenas em casos específicos e especiais, onde a localização … não pode ser concluída com investigação epidemiológica usando outros métodos”.

Aumento do coronavírus

Mas, segundo um comunicado do gabinete, o escopo reduzido de envolvimento do Shin Bet pode ser revisto se houver temor de um aumento do coronavírus.

Israel – com uma população de 9 milhões , registrou 16.712 casos de coronavírus e 279 mortes. Escolas e empresas estão reabrindo em meio a um otimismo cauteloso em relação às políticas de saúde.

Huawei

O Reino Unido está analisando cuidadosamente qualquer impacto que as novas sanções dos EUA à Huawei possam ter nas redes britânicas, disse um porta-voz do governo.

“Após o anúncio dos EUA de sanções adicionais contra a Huawei, o Centro Nacional de Segurança Cibernética está analisando cuidadosamente qualquer impacto que possam ter nas redes do Reino Unido”, disse um porta-voz do governo britânico.

“A segurança e a resiliência de nossas redes são de suma importância”, disse o porta-voz.

Anatel

Operadoras de telecomunicações viram o tráfego de banda larga fixa saltar entre 40% e 50% desde o início da pandemia de coronavírus, disse o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) na sexta-feira, admitindo pela primeira vez que medidas de distanciamento social para conter a pandemia podem acabar atrasando o cronograma do leilão de 5G.

Mesmo antes da covid-19, o aguardado leilão do espectro de 5G tinha sido adiado em relação à data inicialmente prevista de março de 2020, dada a necessidade de investigar melhor possíveis interferências com outros sinais.

No final de março, a Anatel suspendeu indefinidamente os testes de campo para a frequência de 3,5 GHz, embora outras simulações técnicas com computadores sigam em andamento.

– A pandemia certamente gera algum impacto no cronograma e na própria cadeia de suprimentos do 5G no curto prazo… Isso é inexorável – disse o presidente da agência reguladora, Leonardo Euler de Morais, em uma live realizada pelo think tank local Aliança Conecta Brasil F4.

– No longo prazo, porém, estimula o 5G, a expansão da fibra e a infraestrutura de telecomunicações uma vez que testa a importância das soluções digitais para o endereçamento da crise – acrescentou.

Os comentários de Morais sinalizam uma ligeira mudança no discurso da Anatel desde o início de abril, quando a agência insistia na possibilidade de realizar o leilão de 5G ainda no final de 2020, classificando discussões sobre um novo adiamento como “prematuras”. Ele também elogiou as operadoras de telefonia por manterem a qualidade do serviço prestado mesmo com o aumento do tráfego de dados durante a pandemia, bem como os esforços para expansão da rede de fibra ótica FTTH (fiber-to-the-home), que Morais vê como um passo crucial antes da chegada da tecnologia 5G.

Entre elas, a Oi planeja elevar os investimentos na rede FTTH para 4 bilhões a R$ 5 bilhões este ano, ante aproximadamente R$ 3 bilhões em 2019, segundo o presidente da empresa, Rodrigo Abreu.

– Nosso foco é justamente esse, temos a maior infraestrutura de fibra óptica do país. São quase 400 mil quilômetros e mais de 3 mil municípios atendidos – comentou Abreu, destacando a chinesa Huawei Technologies como um importante parceiro nessa jornada.

De acordo com o novo presidente da Huawei no Brasil, Sun Baocheng, a demanda por equipamentos de telecomunicações do grupo chinês ainda não sofreu impacto significativo desde o surto de coronavírus no país.

– A fibra óptica se tornou uma demanda básica para as pessoas, assim como água e eletricidade… Temos fabricação local e vamos continuar trazendo soluções e tecnologias mais recentes aos brasileiros – disse Baocheng, que substituiu Yao Wei como CEO nesta semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *