Israelense morre de ataque cardíaco após receber vacina da Pfizer

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 28 de dezembro de 2020 as 11:47, por: CdB

Um idoso israelense morreu nesta segunda-feira de ataque cardíaco após receber a vacina da Pfizer contra covid-19. Uma análise preliminar não revelou qualquer ligação com a vacina, afirmou o Ministério da Saúde de Israel.

Por Redação, com Sputnik – de Jerusalém

Um idoso israelense morreu nesta segunda-feira de ataque cardíaco após receber a vacina da Pfizer contra covid-19. Uma análise preliminar não revelou qualquer ligação com a vacina, afirmou o Ministério da Saúde de Israel.

Frascos de vacina contra a covid-19 da farmacêutica Pfizer durante produção nos EUA
Frascos de vacina contra a covid-19 da farmacêutica Pfizer durante produção nos EUA

“Um homem de 75 anos, sofrendo doenças cardíacas e câncer, que já teve diversos ataques cardíacos anteriormente, foi vacinado contra covid-19 nesta manhã e morreu em casa pouco depois”, comunicou.

Uma investigação já está em andamento para apurar as causas da morte do idoso.

“A análise inicial não revelou qualquer ligação entre o acidente e a vacina, a vacinação continua”, informou o Ministério da Saúde.

A vacinação em massa da população israelense começou no dia 20 de dezembro.

Primeira fase de vacinação em Israel

Profissionais de saúde, estudantes de medicina, funcionários de centros geriátricos e servidores públicos receberão a vacina durante a primeira fase de vacinação em Israel.

Pessoas de mais de 60 anos e outros grupos de risco para covid-19 receberão a vacina durante a segunda fase. Espera-se que professores, assistentes de jardim de infância, assistentes sociais e agentes carcerários e presidiários sejam vacinados em seguida.

Os primeiros carregamentos da vacina da Pfizer/BioNTech chegaram a Israel na semana passada. No total, o governo israelense assinou um acordo de compra de oito milhões de doses. Israel também concluiu acordos com outras empresas que desenvolvem possíveis vacinas, incluindo a empresa norte-americana Moderna.

Há também uma vacina sendo desenvolvida pelo próprio país, que concluiu a primeira fase de testes clínicos no dia 14 de dezembro.