Itália pode aliviar medidas contra covid-19 até o final de abril, diz premiê

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 9 de abril de 2020 as 13:46, por: CdB

A Itália pode começar a suspender gradualmente algumas restrições em vigor para conter o novo coronavírus até o final de abril, contanto que a disseminação da doença continue a diminuir.

Por Redação, com Reuters – de Roma

A Itália pode começar a suspender gradualmente algumas restrições em vigor para conter o novo coronavírus até o final de abril, contanto que a disseminação da doença continue a diminuir, disse o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, à agência britânica de notícias BBC nesta quinta-feira.

Piazza del Campo, em Siena, Itália
Piazza del Campo, em Siena, Itália

– Precisamos escolher setores que possam retomar suas atividades. Se os especialistas o confirmarem, podemos começar a relaxar algumas medidas já no final deste mês – disse Conte à emissora britânica.

Ele alertou, porém, que a Itália não pode baixar a guarda e que as restrições só serão amenizadas gradualmente.

Mortes por Covid-19

O país teve 542 mortes por covid-19 na quarta-feira, menos do que as 604 do dia anterior, o que eleva o total de óbitos a 17.669. Havia 3.693 pessoas em tratamento intensivo, menos do que as 3.792 de terça-feira, a quinta redução diária consecutiva.

Esta redução despertou a esperança de que o vírus esteja recuando graças ao isolamento de âmbito nacional, mas o número de casos novos subiu de 3.039 na terça-feira para 3.836 e chegou a 139.422, a terceira maior cifra global, só atrás das de Estados Unidos e Espanha.

A Itália impôs um isolamento nacional em 9 de março. Duas semanas depois, Conte anunciou que serviços e comércios não essenciais, como de carros, vestuário e móveis, teriam que fechar.

As empresas

As empresas do polo industrial do norte italiano vêm pedindo ao governo que lhes permita reabrir as fábricas para evitar uma catástrofe econômica, embora seja a área mais atingida pelo coronavírus.

Filiais da associação de empregados Confindustria que representam Lombardia, Vêneto, Piemonte e Emilia-Romagna, regiões do norte que respondem por 45% do produto interno bruto (PIB) da nação, pediram na quarta-feira que o governo italiano trace um “roteiro” para a volta ao trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *