Itália recebe apoio da China para combater o Covid-19

Arquivado em: África, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 13 de março de 2020 as 12:38, por: CdB

A Itália recebeu da China um avião carregado com 30 toneladas de suprimentos médicos e uma equipe de nove especialistas que ajudarão a combater o novo coronavírus.

Por Redação, com EFE – de Roma

A Itália recebeu da China um avião carregado com 30 toneladas de suprimentos médicos e uma equipe de nove especialistas que ajudarão a combater o novo coronavírus, que já infectou 15.113 pessoas e matou 1.016 no país.

A Itália recebeu da China um avião carregado com 30 toneladas de suprimentos médicos e uma equipe de nove especialistas
A Itália recebeu da China um avião carregado com 30 toneladas de suprimentos médicos e uma equipe de nove especialistas

Um Airbus A-305 da China Eastern Airlines partiu de Xangai e chegou na noite de quinta-feira ao Aeroporto Internacional de Roma, carregado de ajuda e foi recebido pelo embaixador chinês em Roma, Li Junhua.

Combate à crise

No interior da aeronave havia 30 toneladas de material médico, incluindo respiradores mecânicos, ventiladores, eletrocardiogramas, dezenas de milhares de máscaras que serão distribuídas entre o governo italiano e os voluntários que ajudarão no combate à crise, informou a Cruz Vermelha italiana.

Além disso, nove especialistas, seis homens e três mulheres, liderados pelo vice-presidente da Cruz Vermelha chinesa, Yang Huichuan, e pelo professor de reanimação cardiopulmonar, Liang Zongan, chegaram ao país, o principal foco europeu da pandemia.

Os especialistas incluíram resgatadores, pediatras e enfermeiros que gerenciaram a emergência na China.

O ministro das Relações Exteriores italiano, Luigi Di Maio, usou suas redes sociais para agradecer a China.

Emergência

– Isso é o que chamamos de solidariedade e tenho certeza que virão mais. Não estamos sozinhos. Existem pessoas no mundo que querem ajudar a Itália – disse o chanceler, adiantando a vontade de outros países, que ele não citou, em contribuir para aliviar a emergência.

Apesar das dúvidas da União Europeia, a Itália aderiu à Nova Rota da Seda em março de 2019, um projeto lançado pela China em 2013 para conectar-se às economias ocidentais da Europa, Oriente Médio e África.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *