Itália terá lockdown na Páscoa pelo segundo ano

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 12 de março de 2021 as 13:11, por: CdB

 

Um decreto aprovado nesta sexta-feira pelo governo do primeiro-ministro Mario Draghi determina que todo o país entrará na “faixa vermelha” de risco epidemiológico entre os dias 3 e 5 de abril, período que vai do Sábado de Aleluia até a “Pasquetta”, a segunda-feira após a Páscoa e que é feriado nacional.

Por Redação, com ANSA – de Roma

A Itália terá uma Páscoa sob lockdown pelo segundo ano consecutivo devido à pandemia do novo coronavírus.

Itália já teve Páscoa sob lockdown em 2020 por causa da covid-19

Um decreto aprovado nesta sexta-feira pelo governo do primeiro-ministro Mario Draghi determina que todo o país entrará na “faixa vermelha” de risco epidemiológico entre os dias 3 e 5 de abril, período que vai do Sábado de Aleluia até a “Pasquetta”, a segunda-feira após a Páscoa e que é feriado nacional.

Na faixa vermelha, as pessoas podem sair de casa apenas por “comprovados motivos de trabalho, saúde ou necessidade”, mas o decreto abre uma exceção para um deslocamento por dia para outra residência privada, limitando-se a duas pessoas, dentro da mesma região.

Esse regime também prevê o fechamento de bares, restaurantes e do comércio varejista não essencial, com exceção de serviços para retirada ou delivery. As diferenças para o lockdown vigente entre março e maio do ano passado estão nas igrejas, que podem realizar celebrações religiosas com público, e na indústria, que continua funcionando.

Faixa vermelha

Atualmente, apenas três das 20 regiões da Itália estão na faixa vermelha: Basilicata, Campânia e Molise, todas no sul do país. O novo decreto do governo Draghi, que vale entre 15 de março e 6 de abril, também determina que, fora da Páscoa, todas as regiões que apresentarem índice superior a 250 novos casos semanais para cada 100 mil habitantes vão regredir para a faixa vermelha.

Segundo o governo, 11 regiões estarão nesse regime a partir da próxima segunda-feira: Basilicata, Campânia, Emilia-Romagna, Friuli Veneza Giulia, Lazio, Lombardia, Marcas, Piemonte, Vêneto, Toscana e Trentino-Alto Ádige.

Outras oito serão colocadas na faixa laranja: Abruzzo, Calábria, Ligúria, Molise, Puglia, Sicília, Úmbria e Vale de Aosta. Na faixa laranja, não há restrições para deslocamentos dentro do próprio município de residência, mas bares e restaurantes continuam fechados para consumo no local.

Já a Sardenha seguirá na “faixa branca”, que permite a reabertura de academias e atendimento presencial em restaurantes e não precisa respeitar o toque recolher noturno entre 22h e 5h, embora o governo sardo tenha mantido a restrição a partir das 23h30.

Medidas econômicas

Paralelamente ao endurecimento das normas anticovid, o governo italiano também chegou a um acordo para implantar medidas econômicas para ajudar famílias e empresas.

A principal delas é a prorrogação do bloqueio das demissões até o fim de junho. A proibição terminaria neste mês e vale para todas as empresas que usufruíram de desonerações fiscais e amortizadores sociais durante a pandemia.

Além disso, o governo vai destinar 290 milhões de euros para um benefício voltado a pais que precisam faltar no trabalho para cuidar de seus filhos de até 14 anos de idade. Trabalhadores autônomos, profissionais da saúde e policiais terão direito a um auxílio de 100 euros por semana para contratar babás.

A Itália é um dos países mais atingidos pela pandemia em todo o mundo e, até o momento, contabiliza 3,15 milhões de casos e cerca de 101 mil mortes por covid-19.